PremiumDas 47 empresas emitentes há 32 que adotaram o Código de Governance

Relatório de Monitorização do Código de Governo das Sociedades revela que as recomendações sobre negócios com partes relacionadas e a autoavaliação da administração estão entre as menos seguidas.

A maioria das cotadas portuguesas cumpre com o Código de Governo das Sociedades e 78% das determinações desse código foram adotadas pelas sociedades emitentes, sendo 84% no caso das empresas cotadas que integram o PSI-20. Estas são as principais conclusões do Relatório Anual de Monitorização do Código de Governo das Sociedades (CGS), apresentado ontem.

Já entre as recomendações menos seguidas estão as relacionadas com os negócios com partes relacionadas e as que se referem a avaliação anual do desempenho do órgão de administração e das suas comissões (no capítulo “Avaliação de Desempenho, Remunerações e Nomeações”). O motivo do fraco acolhimento destas recomendações consiste no facto de se tratarem de temas que vão passar a estar na lei e como tal os emitentes optaram esperar pela aprovação legislativa, explicou Pedro Maia, presidente da Comissão de Acompanhamento e Monitorização (CAM), ao Jornal Económico.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

José Maria Monteiro de Azevedo Rodrigues é o novo presidente da Comissão de Normalização Contabilística

A decisão foi tomada em Conselho de ministros e publicada hoje, sexta-feira, no Diário da República, informou o Ministério das Finanças em comunicado.

PremiumSão poucos os contribuintes que pagam metade dos rendimentos em IRS

Dados do Ministério das Finanças mostram que menos de 0,01% dos contribuintes pagam IRS acima de 45%. Fiscalistas alertam, ainda assim, que taxas são “confiscatórias”, desincentivam o trabalho e podem promover emigração.

OE2023. Comissão Europeia pede orçamento português “coerente” com prudência orçamental

A Comissão Europeia instou hoje o Governo português a “tomar as medidas necessárias” para que o Orçamento do Estado para 2023 (OE2023) seja “coerente” com prudência orçamental, alertando para “riscos” no défice e dívida por apoios às famílias.
Comentários