Dashlane contrata 38 pessoas e oferece trabalho 100% remoto

A empresa oferece também uma bolsa de trabalho remoto. No próximo ano estarão disponíveis mais 50 vagas só para a área de engenharia.

A Dashlane pretende contratar 38 pessoas até ao final do ano e oferece a opção de trabalho 100% remoto. No próximo ano estarão disponíveis mais 50 oportunidades de emprego só para a área de engenharia.

A empresa, que oferece soluções para gerir passwords e identidade digital, refere que a engenharia é a área que vai contar com mais vagas, das 38 que a Dashlane pretende preencher até final do ano.

Estão também disponíveis vagas em Product, Sales & Customer Success, Customer Support & Service, Marketing e People.

A opção de trabalho 100% remoto está disponível. A Dashlane diz que para além de assegurar a todos os trabalhadores “as condições de trabalho adequadas”, vai também oferecer uma bolsa de trabalho remoto.

“Estamos à procura de pessoas com vontade e talento, independentemente do local a partir do qual irão trabalhar. Acreditamos em proporcionar as condições de trabalho que fazem sentido para cada colaborador. Só assim conseguiremos uma equipa diversificada e motivada, algo que se reflete nos resultados”, disse a Country Leader &
People Director da Dashlane, Mafalda Garcês.

As candidaturas podem ser efetuadas através de https://www.dashlane.com/about/careers

Recomendadas

Tesla dispara na bolsa depois de resultados recorde de 2022

Ao fecho das negociações em Wall Street, cada ação da Tesla estava avaliada em 177,90 dólares, mais 17,63 dólares do que no dia anterior. Isso fez com que a empresa encerrasse a semana numa valorização de 33% face à semana anterior
Supremo Tribunal de Justiça

Supremo Tribunal de Justiça alerta para campanha de ‘phishing’ que usa logótipo do STJ

De acordo com as boas práticas e de forma a não ser vítima de ‘phishing’, o STJ recomenda, assim, que os utilizadores de plataformas digitais nunca acedam a links ou anexos de emails que se vislumbrem desconhecidos ou suspeitos.

Flybe. Companhia aérea que foi liderada por CEO da TAP apresenta falência

Christine Ourmières-Widener esteve dois anos e sete meses na Flybe, saindo nove meses antes da low-cost britânica apresentar falência pela primeira vez, na mesma altura em que a pandemia fechou os espaços aéreos e aeroportos.
Comentários