David Frost demite-se do Governo britânico

Frost demitiu-se por se opor às medidas restritivas relativas à pandemia, decididas pelo primeiro-ministro Boris Johnson. A demissão terá sido apresentada na semana passada.

O secretário de Estado para as relações europeias, David Frost, que liderou as negociações do ‘Brexit’ sob o primeiro-ministro Boris Johnson, demitiu-se do Governo britânico, noticiou ontem o jornal “Mail on Sunday”.

O jornal, citando uma fonte governamental de alto nível, revelou que Frost deixaria o cargo em janeiro devido à sua “desilusão” com a “direção” da política governamental, nomeadamente as novas restrições impostas para conter a pandemia de covid-19.

Frost é considerado uma figura-chave nas negociações com a União Europeia, mas decidiu afastar-se do Executivo por discordar com o chamado “Plano B”, que determinou a introdução de passes sanitários para entrada em discotecas e grandes eventos, a obrigatoriedade de vacinas para profissionais de saúde e o uso de máscaras em espaços públicos fechados.

Segundo o “Financial Times”, o governante terá escrito na carta de demissão enviada a Boris Johnson que o Reino Unido precisa de “aprender a viver com a covid”. “Espero que possamos voltar ao normal em breve e que não sejamos tentados pelo tipo de medidas coercivas que vemos noutros sítios”, escreveu Frost.

Frost também terá manifestado insatisfação com os recentes aumentos de impostos, que contrariam a ideologia dos Conservadores britânicos, tradicionalmente a favor de impostos baixos.

Nos últimos meses, Frost tem mantido intensas negociações com o vice-presidente da Comissão Europeia para Relações Interinstitucionais, Maros Sefcovic, para superar divergências sobre a implementação do chamado Protocolo para a Irlanda do Norte.

 

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários