DBRS classifica Banco Santander Totta três ‘notches’ acima da República

A revisão das notações do Santander Totta acontece depois da agência ter reafirmado os ratings de longo prazo do Santander, explica o banco liderado por António Vieira Monteiro.

Cristina Bernardo

A agência canadiana DBRS melhorou hoje os ratings de longo prazo do Santander Totta, de BBB (high) para A (low). O rating do Banco Santander Totta fica assim três notches acima da República.

A DBRS reafirmou ainda os ratings de curto prazo do Banco em R-1 (low), mantendo a perspetiva para ambos os ratings como estável.

A revisão das notações do Santander Totta acontece depois da agência ter reafirmado os ratings de longo prazo do Santander, explica o banco liderado por António Vieira Monteiro.

As atuais notações de rating da dívida de longo prazo do Banco Santander Totta em comparação com os níveis da República Portuguesa são as seguintes: Fitch – BBB (Portugal – BB+); Moody’s – Ba1 (Portugal – Ba1); S&P – BBB- (Portugal – BBB-); e DBRS – AL (Portugal – BBBL).

A DBRS salienta “o papel importante que o Santander Totta desempenha enquanto subsidiária do Santander”, referindo ainda ”a estabilização do ambiente bancário em Portugal”.
Destaca também que “com a aquisição do Banco Popular Portugal, o Santander passa a ter uma posição mais reforçada no mercado, ao mesmo tempo que solidifica a sua posição como banco número dois em Portugal”.

Em setembro, a S&P já tinha subido o rating do Banco Santander Totta para BBB- e a Moody’s reafirmado o rating do Banco após a aquisição do Banco Popular Portugal.

Recomendadas

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.
Comentários