DBRS: Moratórias representam 22% da carteira de crédito bruto do BCP, Novo Banco e Montepio

Comentário da DBRS revela que a percentagem das moratórias na carteira de crédito bruto do Millennium bcp, Novo Banco e Banco Montepio atinge os 22%, o que é a proporção mais elevada entre 45 instituições financeiras europeias analisadas.

As moratórias concedidas pelo Millennium bcp, o Novo Banco e o Banco Montepio representam cerca de um quinto da carteira de crédito bruto destas três instituições financeiras. Segundo a agência de notação DBRS a percentagem das moratórias na carteira de crédito da banca nacional — formada aqui apenas por estes três bancos — atinge os 22%, o que é a proporção mais elevada entre as 45 instituições financeiras europeias analisadas.

A DBRS publicou esta quinta-feira o comentário “European Bank Moratoria: Short-Term Relief Only” (ou, traduzindo livremente, “Moratórias na Banca Europeia: Apenas um Alívio de Curto-Prazo”) e revelou que os bancos em Portugal “têm a maior proporção de moratórias concedidas por crédito bruto entre os bancos analisados, representando cerca de 22% da carteira total de crédito”, até ao final de junho de 2020.

Neste capítulo, depois da banca nacional, surge a banca irlandesa, com um rácio de 13,4%, sendo que a média europeia está entre 8% e 9%.

Entre as 45 instituições financeiras compreendidas neste comentário, além dos bancos portugueses e irlandeses, estão as instituições de crédito do Reino Unido, Itália, Espanha, França, Bélgica, Finlândia, Holanda, Suécia e Alemanha.

A DBRS apenas faz ações de rating ao BCP, Novo Banco e Banco Montepio, pelo que foram estas instituições de crédito financeiras nacionais tidas em conta no comentário.

A agência de notação assinalou ainda que Portugal está entre os países que concederam a maior porção de moratórias de longo-prazo, que expiram em 2021, que representam 75%  do total ou 15,5 mil milhões de euros.

Bancos ingleses e espanhóis concederam mais moratórias

No agregado, até ao final de junho de 2020, as moratórias concedidas pelos 45 bancos europeus representaram 851 mil milhões de euros ou 7% da carteira de crédito bruto.

As moratórias concedidas pelos bancos britânicos — Barclays, HSBC e Lloyd’s — e bancos espanhóis — BBVA, Sabadell, Banco Santander, Bankinter, Caixabank, Cajamar, Liberbank e Abanca — representam a maior fatia do volume de moratórias total concedido pelas 45 instituições de crédito financeiras, com um peso de 29% e 22%, respectivamente.

Neste critério, a banca nacional surge na oitava posição, atrás da banca francesa, italiana holandesa, alemã e irlandesa.

Relacionadas

Miguel Maya enaltece importância da extensão das moratórias porque o país está endividado

“O pior que podia acontecer a Portugal, era a perda do rating da dívida da República. Nós sabemos que, neste trade-off entre apoios públicos ou não, temos de ter em consideração o elevado nível da dívida. Como é que isso se colmata? Com as moratórias”, defendeu o CEO do BCP.

Associação Portuguesa de Bancos não prolonga moratórias privadas

Na sequência da extensão das moratórias públicas, a APB anunciou que “não se justifica” a alteração “dos atuais termos e condições das duas moratórias privadas”. Assim, as moratórias privadas manter-se-ão até 30 de junho de 2021 para o crédito ao consumo e até 31 de março para o crédito hipotecário não elegível para a moratória pública e que segundo a APB é residual.

Concorrência alertou APB e ASFAC para troca de informação sensível no âmbito das moratórias

“A cooperação entre instituições de crédito para a implementação de um regime de moratória de natureza privada não deverá impedir cada instituição de criar condições mais benéficas para os consumidores, caso assim o entenda”, defendeu Margarida Matos Rosa. 
Recomendadas

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Complemento excecional a pensionistas: SNQTB remeteu nova carta ao Primeiro-Ministro

Depois do OE2023 ter sido aprovado o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários diz que “o Partido Socialista mantém a injustiça em relação aos bancários reformados que foram indevidamente excluídos da atribuição do complemento excecional a pensionistas”.

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.
Comentários