“De 2015 a 2019, o valor das exportações portuguesas de bens e serviços cresceu 40%”, diz Siza Vieira

O valor de exportações ultrapassou os “90 mil milhões de euros” em 2019, referiu o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, no encerramento da quarta sessão da “Conferência Aicep 2020, Exportações & Investimento”.

“Em cinco anos, de 2015 a 2019, o valor das exportações portuguesas de bens e serviços cresceu 40%”, com um valor de exportações que ultrapassa os “90 mil milhões de euros”, referiu o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, no encerramento da quarta sessão da “Conferência Aicep 2020, Exportações & Investimento”, que foi organizada pelo “Dinheiro Vivo”, contando com a presença da diretora do Diário de Notícias, Rosália Amorim.

Antes de abordar o plano de recuperação económica para a área empresarial, Pedro Siza Vieira felicitou as empresas premiadas pela Aicep em 2020, que “olharam para o mundo como um mercado potencial” – a Altran e a Elastron – e que, diz o ministro, “nesse percurso são bem representativas do caminho que a economia portuguesa foi percorrendo nos últimos anos”. “Quando olhamos para as duas décadas que este século já leva, podemos olhar de duas formas para a economia portuguesa: podemos pensar que, no seu todo, a economia cresceu relativamente pouco e que em 2020 o valor do nosso PIB não é muito superior àquele que era no ano 2000”.

Contudo, o ministro da Economia discorda desta visão limitada. “Tivemos altos e baixos, passámos por muitas crises”, reconheceu, esclarecendo que gosta de olhar para a evolução portuguesa “um pouco mais de perto: não vou dizer, ao microscópio, mas basta uma lupa. Basta focarmos a nossa atenção e percebermos que caminho é este que nos traz a 2020. Acho que a coisa mais importante de salientar é a forma como o nosso país se tornou finalmente aquilo que desde há muitas décadas almejávamos ser. Uma pequena economia aberta ao exterior”.

“O grau de abertura de uma economia é a soma das importações e das exportações no conjunto do PIB. O ano passado, o grau de abertura da economia portuguesa foi de 90%. No início do século, o grau de abertura da economia portuguesa andava ali nos 50% a 60%. Portanto, atualmente estamos uma economia muito mais aberta ao exterior. E o que é importante é que nos últimos seis anos, exportamos mais do que importamos. É uma grande mudança estrutural para a economia portuguesa nos últimos séculos”, afirmou Siza Vieira.

“Nós passámos a vender mais ao resto do mundo do que aquilo que compramos do resto do mundo. Passámos a ter saldos externos positivos. Passámos a reduzir o nosso endividamento ao exterior. Passámos a ser uma economia fortemente exportadora”, adiantou o ministro, detalhando que “em cinco anos, de 2015 a 2019, o valor das nossas exportações de bens e serviços passou de 64 mil milhões de euros para mais de 90 mil milhões de euros. É um crescimento de 40% num curtíssimo período de tempo”, diz Siza Vieira.

Relacionadas

Pedro Siza Vieira: “o cerne da transformação está na qualificação dos ativos”

O ministro da Economia e Transformação Digital apresentou esta sexta-feira, 18 de dezembro, o Programa Emprego+Digital, que já mobilizou as 22 associações da rede CIP e 23.500 mil trabalhadores da indústria. A lotação para a primeira edição desta iniciativa de requalificação profissional está praticamente esgotada.

PremiumGoverno prepara “solução sistémica” para o pós-moratórias

Executivo prepara “solução sistémica” para empresas com dificuldade em pagar créditos após o fim das moratórias. Dívida poderá ser convertida em capital e entregue a fundos que passarão a ser acionistas, diz Siza Vieira.

PremiumSiza Vieira: “O segundo semestre de 2021 vai ser de franco crescimento”

Siza Vieira prevê início da retoma à medida que a pandemia ficar sob controlo, do segundo trimestre em diante. “A diferença é que agora já temos previsibilidade quanto ao processo de vacinação”, frisa.

A solução para as empresas… e para a banca

Esta solução visa apoiar as empresas, mas também proteger o sector bancário.
Recomendadas

FMI estima que a espiral de salários-preços ainda é um “risco limitado”

A ausência de uma espiral preços-salários não deve levar os líderes a não agirem para combater a inflação persistente, considera ainda o Fundo Monetário Internacional.

Compra de carros de luxo pela TAP “é um problema de bom senso”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

“Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção”, defendeu hoje Marcelo Rebelo de Sousa.

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.
Comentários