De mil a 3 mil euros: Alemanha paga aos imigrantes para deixarem o país

Programa de incentivo ao regresso ao país de origem dos imigrantes já existe na Alemanha, mas a partir de 28 de fevereiro de 2018, as verbas oferecidas serão mais avultadas.

Alkis Konstantinidis/Reuters

A Alemanha vai pagar aos imigrantes no país entre mil a 3 mil euros para regressarem ao país de origem, de acordo, de acordo com informação avançada pela BBC.

A existência de um incentivo financeiro ao regresso aos seus países natal de imigrantes dado pelo estado alemão para facilitar o realojamento, não é uma novidade, mas a partir de 28 de fevereiro de 2018, as verbas a serem oferecidas irão ser mais avultadas. Pessoas que tenham vindo sozinhas receberão esses mil euros, enquanto as famílias terão uma verba que pode ir até aos 3 mil.

O grupo pró-refugiados Pro Asyl, citado pela BBC, acusa o governo de Angela Merkel de “tentar aliciar as pessoas a abdicarem dos seus direitos da forma mais rasteira”.

Já Sabine Lehmann, porta-voz do ramo alemão da Organização Internacional para as Migrações, que gere sistemas como o alemão em vários países, diz que as pessoas não serão obrigadas a sair da Alemanha. Algumas corresponderão a casos de pedidos de asilo rejeitados, “mas não são a maioria”. “Podem ser pessoas”, diz Lehmann, que estejam “a viver na Alemanha há 10 ou 30 anos”, e que por alguma razão, querem voltar” mas “não têm dinheiro”. “Poderão participar no programa”, diz Lehmann, e assim terem os recursos para o desejado regresso.

Recomendadas

UE pede à Organização Mundial do Comércio que se pronuncie sobre disputa comercial com a China

A União Europeia acredita ser preciso defender a Lituânia e os interesses comunitários, sujeitos a restrições pela China.

Irmã do líder supremo do Irão apoia protestos contra o regime

O líder supremo do Irão, o aiatolá Ali Khamenei, parece ter ganho uma opositora de monta: a sua própria irmã, que pediu aos guardas revolucionários que deponham as armas e parem de atacar os civis.

Empresas do BCSD pedem mais ambição para acelerar a transição para a bioeconomia circular

Para o BCSD Portugal, “este enorme desafio obriga à convergência ativa de todos: sector público, sector privado, universidades, sociedade civil e cada um de nós individualmente”.
Comentários