De Washington a Zagreb, milhares manifestam-se a favor e contra o aborto

A possibilidade do Supremo Tribunal norte-americano vir a abolir o direito ao aborto levou milhares de manifestantes às ruas das principais cidades dos EUA. Já na capital da Croácia protesta-se dos dois lados pelo terceiro dia consecutivo, depois de um caso polémico ter aquecido o debate.

A recente divulgação pelo jornal POLITICO de um rascunho do Supremo Tribunal norte-americano que prevê a revogação do direito constitucional ao aborto gerou uma onda de manifestações nas principais cidades dos Estados Unidos. Também na Croácia, mas por outros motivos, o aborto levou milhares às ruas da capital, Zagreb. Em causa está uma mulher que lutou para poder abortar devido a doença do feto.

Sob o mote “Não toquem nos nossos corpos”, milhares de norte-americanos estão a manifestar-se para defender o direito ao aborto perante a possibilidade de o Supremo Tribunal o poder vir a anular. “Acabamos com os ataques ao aborto. Estamos a manifestar-nos hoje para dizer alto e bom som: não toquem nos nossos corpos”, é o lema da Women’s March, uma das organizações responsáveis por esta jornada de contestação, na rede social Twitter.
Por todo o país foram organizados mais de 450 desfiles, entre os quais grandes marchas em Washington, Nova Iorque, Chicago, Austin e Los Angeles.

Na capital, em Washington, o desfile arranca às 14h00 locais (18h00 em Lisboa) e segue em direção ao Supremo Tribunal, onde são esperados cerca de 17 mil manifestantes, estimam os organizadores.

As manifestações agendadas para todo o país foram convocadas após uma fuga de informação sobre uma iniciativa do Supremo Tribunal norte-americano para revogar o direito constitucional ao aborto, que teria impacto em todos os 50 estados norte-americanos. Se anulada, a decisão ‘Roe v. Wade’, que protege como constitucional o direito das mulheres ao aborto, os Estados Unidos voltarão à situação que existia antes de 1973, quando cada estado era livre de proibir ou autorizar a realização de abortos.

O anúncio da decisão do órgão supremo norte-americano está previsto para junho, meros meses antes das eleições intercalares de novembro, das quais sairá a nova composição do Congresso. A divisão gerada pela questão do aborto poderá ter efeitos na campanha eleitoral. Ainda esta quarta-feira, o Senado rejeitou uma lei que previa a consagração do direito ao aborto na legislação federal, naquela que é uma das mais recentes demonstrações da polarização existente.

Na Croácia, protestos dividem-se entre os dois lados da barricada

Pelo terceiro dia consecutivo, milhares de pessoas participaram hoje numa marcha contra o aborto em Zagreb, na Croácia, apenas dias depois de uma mobilização de apoio a uma mulher que lutou para poder abortar devido a doença do feto.

“Crianças não nascidas – a minoria mais ameaçada na Croácia” e “As vidas não nascidas também importam” eram algumas das mensagens escritas nos cartazes empunhados pelos manifestantes durante a “Marcha pela Vida”, organizada anualmente. “Apoiamos a vida, os valores morais, os valores dados por Deus”, disse, à Agence France-Presse (AFP), Maja Ivic, que se fazia acompanhar dos dois filhos.

Por seu lado, Sinisa Kubatovic, de 52 anos, disse que a vida humana, desde a conceção até à morte natural, deve ser protegida. “O aborto deve ser autorizado apenas se a gravidez ameaçar seriamente a vida da mulher”, entendeu.

Nos últimos dias, o caso de Mirela Cavajda, de 39 anos, abalou o país, visto que estava no sexto mês de gravidez quando os médicos diagnosticaram um tumor cerebral ao feto. O seu pedido de aborto foi recusado por quatro hospitais em Zagreb, mas após pressão pública uma comissão médica deu luz verde ao procedimento, que aconteceu na quarta-feira.

Na Croácia há grupos conservadores, apoiados pela Igreja Católica, que pedem ao governo que limite o direito ao aborto, autorizado até a décima semana de gravidez. Após esse período, o aborto pode ser realizado se a saúde da mulher ou do feto estiverem em perigo, em caso de violação ou de incesto.

O direito ao aborto está, cada vez mais, a ser posto à prova porque há muitos médicos que se recusam praticá-lo invocando a objeção de consciência. O Tribunal Constitucional da Croácia rejeitou, em 2017, um recurso de vários grupos conservadores a exigir a proibição do aborto.

Relacionadas

Grupos anti-aborto “otimistas” com possível decisão do Supremo dos EUA

Algumas das maiores organizações norte-americanas pró-aborto sairão às ruas no sábado em todo o país, em protesto contra a possível revogação do direito constitucional à interrupção voluntária da gravidez no país.

EUA. Democratas tentam codificar “Roe vs Wade”, mas Senado deve impedir

Esta tentativa faz parte de um esforço maior para salvar “Roe” e o direito constitucional ao aborto nos EUA em vigor desde 1973, o qual não está estabelecido em mais nenhuma lei federal. Os democratas querem que fique registado o sentido de voto dos senadores antes das eleições de novembro que determinarão que partido controla o Congresso.
Recomendadas

Comissão que investiga ataque ao Capitólio aproxima-se de círculo próximo de Trump

A comissão encontra-se a analisar todos os aspetos do tumulto, incluindo o que o próprio Trump fazia enquanto se desenrolava o ataque e quaisquer conexões entre a Casa Branca e os manifestantes que invadiram o edifício do Capitólio.

José Sócrates esteve no Brasil duas semanas em abril e depois em maio

Arguido no processo extraído da ‘Operação Marquês’, está sujeito a Termo de Identidade e Residência (TIR). Em abril e maio, pelo menos, Sócrates esteve no Brasil.

“Grande estupefação”. Mulheres Juristas contra entrada de juiz antiaborto no Constitucional

Em carta aberta endereçada ao Presidente do TC, João Pedro Barroso Cauper, a associação defendeu que o perfil do candidato com posições públicas anti-aborto é “incompatível com a Constituição e a República Portuguesa”. Em reação a esta possível cooptação, vários coletivos feministas convocaram manifestações esta sexta-feira.
Comentários