Decathlon Portugal junta-se a projeto internacional de economia circular no mercado de pneus

A Decathlon Portugal pretende encontrar formas de substituir materiais usados nos seus produtos de borracha reciclada ou outros derivados que sirva o mesmo propósito de utilidade e que cumpra com a regulamentação, nomeadamente no que diz respeito ao grau de toxicologia.

A parceria foi celebrada no âmbito do programa de inovação colaborativa, o ‘NextLap’, criado pela Valorpneu em conjunto com a recicladora nacional de origem dinamarquesa, Genan. O objetivo do programa é trabalhar em conjunto com start-ups de todo o mundo no desenvolvimento de projetos pilotos que dêem novo uso aos materiais derivados de pneus em fim de vida.

A Decathlon Portugal pretende encontrar formas de substituir materiais usados nos seus produtos de borracha reciclada ou outros derivados que sirva o mesmo propósito de utilidade e que cumpra com a regulamentação, nomeadamente no que diz respeito ao grau de toxicologia.

Através de um comunicado a que o Jornal Económico teve acesso, a Decathlon diz estar empenhada “em desenvolver ações no processo de produção que respeitem o meio ambiente e preservem o planeta”. A empresa de artigos desportivos acrescenta que “com a participação no projeto Nextlap, temos a expectativa de trabalhar com o ecossistema tecnológico, de forma a encontrar novos conceitos e criar sinergias que promovam a co-criação, para contribuir, de forma sustentável, para a transformação da nossa produção”.

As restantes empresas presentas na parceria também procuram soluções que venham a tornar os seus processos mais eficientes ou inovar a sua oferta no mercado. A Opway, empresa de engenharia e construção, bem como a Pragosa, que atua nas áreas de construção, pedra natural e ambiente, pretendem trabalhar em soluções para o setor da construção que possam ser aprovadas no seu caderno de encargos.

Por sua vez, a Extruplás quer trabalhar em soluções para integrar os seus produtos produzidos através da reciclagem e recuperação de produtos plásticos, a Procalçado, uma das empresas líderes na indústria do calçado, procura ideias inovadoras para o setor e o Mobinov, cluster Automóvel de Portugal, procura soluções para o setor automóvel onde afirmam que “o céu é o limite”.

Através de uma metodologia desenhada pela consultora de inovação colaborativa Beta-i, o programa NextLap irá unir estas empresas com empreendedores de todo o mundo, que tenham interesse em aumentar a sua rede global e desenvolver projetos em conjunto com líderes de mercado, que venham melhorar a sustentabilidade do setor de pneus e derivados, aumentando a circularidade das matérias-primas em larga escala.

O aumento do número de veículos na última década teve como consequência, natural, o crescimento significativo do número de pneus em fim de vida em todo o mundo, sendo que o descarte de pneus usados é uma das maiores preocupações para o meio ambiente e também para a saúde pública a nível mundial. Segundo os dados do Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD – sigla em inglês), de dezembro de 2019, todos os anos no mundo são descartados mais de 30 milhões de toneladas de pneus em fim de vida, com a Europa a registar um número na ordem dos 3,4 milhões de toneladas.

Recomendadas

Humanidade só se salva se defender o planeta Terra e a biodiversidade- Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou hoje que a única saída para salvar a Humanidade é “investir no planeta Terra” e deter a perda de biodiversidade.

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.
Comentários