Decathlon Portugal junta-se a projeto internacional de economia circular no mercado de pneus

A Decathlon Portugal pretende encontrar formas de substituir materiais usados nos seus produtos de borracha reciclada ou outros derivados que sirva o mesmo propósito de utilidade e que cumpra com a regulamentação, nomeadamente no que diz respeito ao grau de toxicologia.

A parceria foi celebrada no âmbito do programa de inovação colaborativa, o ‘NextLap’, criado pela Valorpneu em conjunto com a recicladora nacional de origem dinamarquesa, Genan. O objetivo do programa é trabalhar em conjunto com start-ups de todo o mundo no desenvolvimento de projetos pilotos que dêem novo uso aos materiais derivados de pneus em fim de vida.

A Decathlon Portugal pretende encontrar formas de substituir materiais usados nos seus produtos de borracha reciclada ou outros derivados que sirva o mesmo propósito de utilidade e que cumpra com a regulamentação, nomeadamente no que diz respeito ao grau de toxicologia.

Através de um comunicado a que o Jornal Económico teve acesso, a Decathlon diz estar empenhada “em desenvolver ações no processo de produção que respeitem o meio ambiente e preservem o planeta”. A empresa de artigos desportivos acrescenta que “com a participação no projeto Nextlap, temos a expectativa de trabalhar com o ecossistema tecnológico, de forma a encontrar novos conceitos e criar sinergias que promovam a co-criação, para contribuir, de forma sustentável, para a transformação da nossa produção”.

As restantes empresas presentas na parceria também procuram soluções que venham a tornar os seus processos mais eficientes ou inovar a sua oferta no mercado. A Opway, empresa de engenharia e construção, bem como a Pragosa, que atua nas áreas de construção, pedra natural e ambiente, pretendem trabalhar em soluções para o setor da construção que possam ser aprovadas no seu caderno de encargos.

Por sua vez, a Extruplás quer trabalhar em soluções para integrar os seus produtos produzidos através da reciclagem e recuperação de produtos plásticos, a Procalçado, uma das empresas líderes na indústria do calçado, procura ideias inovadoras para o setor e o Mobinov, cluster Automóvel de Portugal, procura soluções para o setor automóvel onde afirmam que “o céu é o limite”.

Através de uma metodologia desenhada pela consultora de inovação colaborativa Beta-i, o programa NextLap irá unir estas empresas com empreendedores de todo o mundo, que tenham interesse em aumentar a sua rede global e desenvolver projetos em conjunto com líderes de mercado, que venham melhorar a sustentabilidade do setor de pneus e derivados, aumentando a circularidade das matérias-primas em larga escala.

O aumento do número de veículos na última década teve como consequência, natural, o crescimento significativo do número de pneus em fim de vida em todo o mundo, sendo que o descarte de pneus usados é uma das maiores preocupações para o meio ambiente e também para a saúde pública a nível mundial. Segundo os dados do Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD – sigla em inglês), de dezembro de 2019, todos os anos no mundo são descartados mais de 30 milhões de toneladas de pneus em fim de vida, com a Europa a registar um número na ordem dos 3,4 milhões de toneladas.

Recomendadas
Carlos Moedas

Carlos Moedas: “A transição energética é o maior desafio das nossas vidas”

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa discursou esta terça-feira numa conferência ibérica dedicada ao tema da mobilidade, onde o líder da CIP, António Saraiva, defendeu que reduzir os transportes não é a solução para descarbonizar o país.

Açores. Simo de 2,1 na escala de Richter registado na Terceira

Um sismo com magnitude de 2,1 na escala de Richter foi sentido hoje na ilha Terceira, segundo um comunicado do Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores.

Ministra não prevê falta de alimentos provocada pela seca ou pela guerra

“Criámos, com toda a cadeia alimentar, desde a produção até ao retalho, grupos de acompanhamento para que não haja quebra”, apontou a ministra da Agricultura e Alimentação, Maria do Céu Antunes.
Comentários