Decisão desfavorável da Câmara de Caminha põe ponto final a centro de exposições

Rui Lages voltou hoje a garantir que “irá a todas as instâncias para reaver o dinheiro que é, por direito, da Câmara Municipal de Caminha”.

O presidente da Câmara de Caminha assinou hoje o despacho que ratifica a decisão desfavorável proposta pelos serviços de urbanismo ao Pedido de Informação Prévia (PIP) apresentado pelo empresário Ricardo Moutinho para a construção de um pavilhão multiúsos.

“Para a Câmara de Caminha, este processo acaba aqui”, afirmou hoje à agência Lusa o presidente da autarquia, Rui Lages.

O PIP foi apresentado em agosto pela empresa Green Endogenous, de Ricardo Moutinho, à Câmara de Caminha para a construção, nas freguesias de Argela e Vilar de Mouros, de um Centro de Exposições Transfronteiriço (CET) e um parque de ciência e tecnologia automóvel.

O autarca de Caminha, no distrito de Viana do Castelo, explicou ter assinado o despacho depois de ter recebido a informação técnica dos serviços de urbanismo relativa ao PIP Vilar de Mouros e Argela, propondo que fosse “proferida decisão desfavorável ao PIP” para a construção do Centro de Exposições Transfronteiriço (CET) “sustentada no Regime Jurídico de Urbanização e Edificação (RJUE)”.

“Nos termos e fundamentos vertidos na informação técnica e, bem assim, tendo em consideração os pareceres emitidos pela CCDR-N, profere-se decisão desfavorável ao PIP. Notifique-se para os devidos e legais efeitos”, refere Rui Lages no despacho que proferiu.

Em novembro, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-Norte), a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a Administração da Região Hidrográfica do Norte (ARH Norte) e as Infraestruturas Portugal (IP) emitiram pareceres desfavoráveis ao projeto, alegando que a sua viabilidade está dependente da aprovação de um plano de pormenor, uma vez que a operação que abrange áreas classificadas como Reserva Ecológica Nacional (REN).

Em causa está um negócio que levou à demissão do secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro e ex-autarca de Caminha, Miguel Alves, que está a ser investigado pelo Ministério Público (MP) por ter celebrado, em 2020, quando era presidente daquela câmara, um contrato-promessa de arrendamento para fins não habitacionais com a empresa Green Endogenous que previa a construção de um CET em Caminha.

Em abril de 2021, o município adiantou ao promotor uma verba de 369 mil euros para a concretização da obra, que nunca avançou. Daquele montante, 300 mil euros serviram como adiantamento das rendas relativas ao 25.º ano do arrendamento e os 69 mil euros ao pagamento do IVA.

Em novembro, a Câmara de Caminha aprovou, por unanimidade, por proposta do presidente Rui Lages, a resolução do contrato promessa de arrendamento para fins não habitacionais celebrado, em 2020.

Relacionadas

PremiumOrçamento da câmara de Caminha não prevê 300 mil euros de rendas a devolver

O presidente da câmara pediu a devolução de 300 mil euros pagos ao promotor de centro de exposições. Mas verba não está prevista no orçamento. Oposição diz que edil não tem esperanças de receber.

PremiumCâmara de Caminha paga 20 mil euros para parecer sobre decisão já tomada

Negócio para centro de exposições, que não existe, já custou ao erário público cerca de 400 mil euros: adiantamento de 369 mil e agora mais 20 mil para parecer após rescisão contratual.

PremiumCâmara de Caminha exige devolução de 300 mil euros a empresário

Decisão surge após o JE ter noticiado que autarquia não pediu devolução do adiantamento de rendas por incumprimento.
Recomendadas

Presidente da República admite enviar para o Tribunal Constitucional decreto sobre associações públicas profissionais

“Eu admito nos próximos dias pedir novamente ao Tribunal Constitucional que se pronuncie em fiscalização preventiva sobre outro diploma”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, no antigo picadeiro real, junto ao Palácio de Belém, em Lisboa.

Portugal manteve 33.º lugar na lista da corrupção

A classificação de Portugal manteve-se, assim, inalterada face aos dados do ano passado e de 2019, sendo que em 2020 tinha descido até aos 61 pontos.

CDS-PP vai a tribunal por despedimento de funcionários

De acordo com António Miguel Lopes, um dos autores do processo, “a primeira audiência já está marcada para dia 31 de janeiro, pelas 15:00 no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa – Juízo do Trabalho de Lisboa”.
Comentários