Decisão sobre negociações do Brexit terá de ser tomada até domingo, diz presidente da Comissão Europeia

“Concordámos que as nossas equipas de negociação deveriam reencontrar-se imediatamente de maneira a resolver as questões essenciais. Chegaremos a uma decisão até ao final do fim de semana”, disse Ursula von der Leyen depois de um jantar de três horas com Boris Johnson.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou esta quarta-feira que deverá ser tomada uma decisão acerca de um acordo pós-Brexit até domingo, sublinhando que as posições dos dois parceiros se mantêm “muito distantes”.

“Concordámos que as nossas equipas de negociação deveriam reencontrar-se imediatamente de maneira a resolver as questões essenciais. Chegaremos a uma decisão até ao final do fim de semana”, referiu Von der Leyen num comunicado, após um jantar de três horas com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

Frisando que teve uma “discussão animada e interessante” com Boris Johson acerca do conjunto de temas que continuam por negociar, Ursula von der Leyen referiu também que as posições se mantém “muito distantes”.

“Tomámos um conhecimento claro das posições de cada um. Mantêm-se muito distantes”, refere o comunicado da presidente da Comissão.

Do lado britânico, fontes diplomáticas também deram conta de uma “discussão franca sobre os obstáculos significativos que se mantêm nas negociações”, e frisaram que permanece “um fosso muito grande” entre o Reino Unido e a União Europeia (UE), sendo “incerto se estas [diferenças] podem ser ultrapassadas”.

“O primeiro-ministro [Boris Johnson] e Ursula von der Leyen concordaram em prosseguir as discussões nos próximos dias. O primeiro-ministro não quer deixar nenhum caminho para um acordo por percorrer. O primeiro-ministro e Von der Leyen concordaram que, até domingo, uma decisão firme deverá ser tomada sobre o futuro das negociações”, referiram sublinham as mesmas fontes.

UE e Reino Unido tentam num derradeiro ‘sprint’ chegar a acordo sobre as relações futuras, já que a partir de 01 de janeiro de 2021 – data que coincide com o arranque da presidência portuguesa do Conselho da UE, no primeiro semestre do ano –, o Reino Unido, que abandonou o bloco europeu em janeiro de 2020, deixa de gozar do chamado período de transição, mantendo o acesso dos britânicos ao mercado único.

Na ausência de um acordo (‘no deal’), as relações económicas e comerciais entre o Reino Unido e a UE passam a ser regidas pelas regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e com a aplicação de vários controlos alfandegários e regulatórios.

Relacionadas

Boris Johnson janta hoje com von der Leyen em Bruxelas para resolver impasse do Brexit

Após a equipa de negociações ter falhado em atingir um acordo, ao longo de vários meses, Boris Johnson e Ursula von der Leyen vão hoje jantar em Bruxelas para tentar resolver o impasse em redor do Brexit para tentar chegar a um acordo antes que o prazo chegue ao fim.

Boris Johnson garante que nenhum primeiro-ministro aceitaria exigências da União Europeia

“Em segundo lugar, eles dizem que o Reino Unido deveria ser o único país do mundo a não ter o controlo soberano sobre as suas águas pesqueiras. E não acredito que estes sejam termos que qualquer primeiro-ministro deste país deva aceitar”. 
Recomendadas

SIC: Alargamento da dedução dos juros da habitação em sede de IRS poderá abranger mais de 660 mil famílias

Segundo a SIC Notícias, se a medida for incluída no Orçamento do próximo ano, como se espera, poderá abranger mais de 660 mil famílias. 

OE2023: PAN critica “rumo de desvalorização salarial” da função pública

A porta-voz do PAN criticou hoje a proposta de aumentos salariais para a função pública, apontando um “rumo de desvalorização salarial” e alertando que os funcionários públicos “viverão com menos recursos” no próximo ano.

OE2023: Iniciativa Liberal vai insistir no desagravamento de vários impostos

O líder da Iniciativa Liberal (IL) disse hoje, em Coimbra, que o partido vai apresentar cerca de uma dúzia de propostas de alteração ao Orçamento de Estado para 2023, que visam o desagravamento de vários impostos.
Comentários