Decisores nas empresas têm de estar mais conscientes da inteligência artificial, diz responsável da Farfetch

Luís Carvalho, Senior Vice President of Technology da Farfetch, defendeu, na conferência “Liderar com Inteligência Artificial”, que o conhecimento resultante dos algoritmos têm de ser disseminado por toda a empresa.

Os responsáveis pelas áreas de negócios das empresas têm de estar conscientes da importância dos dados e da capacidade da inteligência artificial, pela capacidade que trem de impactar a atividade empresarial, defendeu Luís Carvalho, Senior Vice President of Technology da Farfetch, empresa global de matriz portuguesa especializada em comércio eletrónico.

Luís Carvalho participou na conferência “Liderar com Inteligência Artificial”, promovida pela Microsoft Portugal e de que o Jornal Económico é media partner, que foi transmitida esta terça-feira, 14 de dezembro.

“Os decisores, os executores do negócio não se podem abstrair da tecnologia”, afirmou Carvalho, defendendo que os dados e o conhecimento que estes podem gerar devem estar acessíveis em toda a organização.

“Inteligência artificial tem a ver com conhecimento. Se eu conseguir disseminar o conhecimento a todos os níveis [da empresa] e, principalmente, a nível das pessoas que usam o resultado dos algoritmos – que não são os engenheiros, não são os data scientists, são os líderes das áreas de negócio que usam esses algoritmos e usam essa tecnologia – [é positivo]”, disse, acrescentando que quem gere o negócio tem, também, vantagem em identificar problemas no algoritmo construído. “Têm conhecimento suficiente para perceberem inclusivamente se o algoritmo e o resultado em si tem bias [desvio ou preconceito], ou se não tem, se está a ser parcial, se está a ser injusto, porque esse conhecimento é maior a nível de negócio, porque quem domina uma área de commerce percebe”, afirmou.

Quebrar silos nas empresas

A conferência “Liderar com Inteligência Artificial” procurou conhecer o estado de desenvolvimento da inteligência artificial e os desafios que coloca às empresas e contou com a participação, além de Luís Carvalho, de Ricardo Chaves, Chief Commercial Officer da SIBS; e de Sandra Miranda Ferreira, Customer Success Lead da Microsoft Portugal.

Na mesma linha de Luís Carvalho, Sandra Miranda Ferreira defendeu a necessidade de as empresas estabelecerem uma cultura mais virada para os dados e para a utilização da inteligência artificial para poderem retirar conhecimento desses dados, mas também a democratização do acesso a esse conhecimento.

A inteligência artificial não é mais do que trabalhar melhor com dados. Costumamos dizer que todos nós, se não tivermos bons dados, se não tivermos um conjunto grande de dados, não conseguimos pôr [a funcionar] os algoritmos e a algoritmia associada, por exemplo, ao machine learning”, afirmou.

Para que essa cultura se estabeleça e para que tenha impacto, Sandra Ferreira postulou a transformação organizacional, para evitar a existência de departamentos-estanque ao nível dos dados. “Temos de quebrar silos de dados, deixar de funcionar como tradicionalmente muitas empresas ainda funcionam que é são os dados dos recursos humanos, os dados financeiros, os dados das vendas, os dados dos modelos de pricing, ou seja, no fundo, são silos de dados que tomam decisões dentro dessas áreas”, disse. “Quebrar silos de dados significa arranjar forma de proteger a privacidade e a segurança desses dados, para garantir que as pessoas certas tenham acesso aos dados certos, mas que conseguimos democratizar o uso dos dados e o acesso aos insights [conhecimentos]”, afirmou. “Portanto, quebrar silos, democratizar acesso aos insights. Quanto mais nós democratizarmos o acesso aos dados, mais a nossa organização consegue utilizá-los”, acrescentou.

Relacionadas

SIBS apostou na inteligência artificial para responder ao crescimento dos ataques cibernéticos

Machine learning permitiu reduzir a fraude efetiva para níveis que representam cerca de um quarto do valor de referência para os países do sul da Europa, explicou Ricardo Chaves, na conferência “Liderar com Inteligência Artificial”.

Inteligência artificial: empresas têm de fazer transformação cultural para aproveitar tecnologia

Sandra Miranda Ferreira, Customer Success Lead da Microsoft Portugal, apontou que a inteligência artificial está já integrada em muitos processos que são familiares no nosso dia-a-dia, dando como exemplo a gestão de ativa de correio eletrónico, mas que o seu desenvolvimento depende da transformação cultural das organizações, nomeadamente empresas.

Estado da inteligência artificial vai estar hoje em debate

Conferência “Liderar com Inteligência Artificial”, promovida pela Microsoft Portugal e de que o Jornal Económico é media partner, tem a participação de Luís Carvalho, Senior Vice President of Technology, Global Platform, da Farfetch; Ricardo Chaves, Chief Commercial Officer da SIBS; e Sandra Miranda Ferreira, Customer Success Lead da Microsoft Portugal.

Estudo indica que 63% das compras de Natal serão feitas online

Além dos 63% que vão fazer compras online a Microsoft “o preço está no topo da lista [das principais preocupações] para 69% das pessoas

Ameaças cibernéticas tornaram-se mais frequentes e sofisticadas durante a pandemia

A conferência sobre “Confiança no Digital”, promovida pela Microsoft Portugal e de que o Jornal Económico foi media partner, contou com a participação de António Gameiro Marques, diretor-geral do Gabinete Nacional de Segurança (GNS); de Pedro Miguel Machado, Data Protection Officer do Grupo Ageas Portugal; e de Eduardo Antunes, diretor-executivo do Sector Público da Microsoft Portugal.
Recomendadas

EDP Renováveis vende Companhia Paranaense de Energia por 350 milhões de euros

A venda foi feita por um Enterprise Value (inclui dívida) estimado de 1,80 mil milhões de reais a 31 de dezembro de 2021 (o que equivale a 0,35 mil milhões de euros à taxa cambial de 5,16 euros/um real), e que será ajustado à data de conclusão.

Sindicatos desconvocam greve no Metro de Lisboa marcada para quarta-feira

No entanto, a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações entregou um novo pré-aviso de paralisação para 25 de outubro.

Talent Protocol compra empresa canadiana ligada à blockchain

A escolha recaiu sobre a Agora Labs, fundada por um grupo de quatro adolescentes. Matthew Espinoza (agora com 20 anos) e Freeman Zhang (de 19 anos) juntam-se à equipa da startup portuguesa dos ‘tokens’ para profissionais talentosos.
Comentários