Declínio e Queda

Um “projeto” que visava garantir a sobrevivência da democracia no continente alimenta os vários populismos de sentido contrário consoante se está num país com orçamentos “à grega” ou “à alemã”.

No espaço de poucos dias, quatro notícias despertaram-me a atenção por serem, se lidas em conjunto, bastante reveladoras da condição em que a União Europeia se encontra. A coisa começou com o anúncio da Comissão Europeia de que não iria aplicar sanções ao Estado português pelo défice excessivo verificado em 2015. Depois, o presidente do Banco Central alemão deu uma entrevista ao Financial Times, em que lamentou o que lhe parece ser a “desistência” de zelar pelo respeito das regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento por parte da Comissão. Dias mais tarde, uma sondagem da Ipsos dava a Marine Le Pen, a líder da populista Frente Nacional francesa, uma vantagem relevante nas próximas eleições presidenciais. E no domingo seguinte, enquanto os Republicanos franceses votavam na primeira ronda das suas primárias, na Alemanha, Angela Merkel anunciava a sua recandidatura a chanceler.

Como não poderia deixar de ser, o Governo português deu asas à bazófia e logo se apressou a apresentar o anúncio da Comissão como um resultado da confiança desta em si e nos esforços que supostamente está a encetar para resolver o problema das finanças públicas deste nosso pobre país. Não sei se o primeiro-ministro e seus subordinados acreditam no que dizem ou se apenas lhes falta vergonha. Mas não tenho dúvidas de que a postura da Comissão pouco ou nada tem a ver com Portugal e Costa, antes tudo com a França e Le Pen: temendo a corrente populista que parece varrer o mundo das Filipinas aos EUA, e que a sua “austeridade” ajude a que a França seja incluída na lista, a “Europa” prefere aligeirar a sua trela, esperando que sem o fantasma “austeritário” a pairar sobre as suas cabeças, os eleitores franceses prefiram a “normalidade” de um Fillon ou de um Macron à revolução lepenista.

O problema está em que as eleições francesas não são as únicas que se vão realizar para o ano. Na Alemanha, o que alimenta o populismo nacionalista local – para além do partilhado ódio a tudo o que seja estrangeiro com uma tez mais escura na pele, claro – é, não a “austeridade” que incomoda os franceses, mas a insuficiência da dita nos países “esbanjadores” do continente, que os contribuintes alemães têm depois de pagar. Por isso o senhor do Bundesbank se queixa, e por isso a senhora da Alternativa para a Alemanha (e Putin, que está em todas) esfrega as mãos de contente.

Esta é a grande tragédia do Euro: ao juntar numa mesma área monetária países com economias e um comportamento orçamental tão distintos, acabou por assegurar que todos têm razão de queixa; os “despesistas” por não terem flexibilidade para “reanimar” a economia, e os “disciplinados” por terem de fazer um maior esforço orçamental para pagar os desvarios dos primeiros. E assim, um “projecto” que visava (nas suas melhores versões) garantir a sobrevivência da democracia no continente alimenta os vários populismos de sentido contrário consoante se está num país com orçamentos “à grega” ou “à alemã”.

Haverá certamente quem veja tal resultado com agrado. No meu caso, tenho pena que a obsessão federalizadora do “europeísmo” tenha contribuído para o declínio e potencial queda de algo que melhorou tanto as nossas vidas. No fundo, a “Europa” está a assistir a uma lição que muitas crianças têm dificuldade em aprender: em excesso, até uma coisa boa acaba por fazer mal.

O autor escreve segundo a antiga ortografia.

 

Recomendadas

Combater a inflacção: um tempo de algum sacrifício e perseverança

É inegável que nos deparamos globalmente com um atípico surto inflaccionista, em muito determinado  por circunstâncias disruptivas que a guerra na Ucrânia fez explodir, nomeadamente na questão central do fornecimento e do preço dos bens energéticos e também dos bens alimentares de base.

Agressão ginecológica: um episódio, apenas

Não será tempo de expormos mais abertamente a violência ginecológica a que nós mulheres somos expostas? Sim. E nada desculpa este cenário, nem a luta entre médicos ginecologistas e Governo. A cada agressão deve corresponder uma queixa formal. Só assim podemos dizer com propriedade: “Sou dona do meu corpo. Exijo respeito, seja em que circunstâncias for”.

Winter is coming

Já repeti este título em crónicas anteriores, mas este inverno provavelmente vai ser o mais difícil que atravessei.
Comentários