Deco exige regulamentação para as loot boxes dos videojogos

Loot boxes são “caixas ou pacotes misteriosos” de conteúdo digital criados pela indústria dos videojogos que os consumidores compram com dinheiro real. O conteúdo dessas caixas de saque é aleatório, variando desde opções de personalização simples do avatar ou personagem de um jogador, até um upgrade em equipamentos (como armas ou melhorias) que oferecem aos jogadores vantagens para a sua performance nesse videojogo. Os consumidores desconhecem o conteúdo digital dessas caixas ou pacotes para pagar por elas.

As «caixas de recompensa ou caixas de saque» dos videojogos (em inglês, loot boxes)representam vários problemas graves: design manipulador, marketing agressivo e probabilidades enganosas.

A DECO e outras 19 organizações de 18 países de consumidores juntaram-se ao Conselho de Consumidores Norueguês (NCC) que divulga hoje o relatório “Insira moeda: Como a indústria de jogos manipula e explora os consumidores?”. Estes 20 grupos de defesa dos direitos do consumidor exigem regulamentação e actuação das autoridades competentes.

Loot boxes são “caixas ou pacotes misteriosos” de conteúdo digital criados pela indústria dos videojogos que os consumidores compram com dinheiro real. O conteúdo dessas caixas de saque é aleatório, variando desde opções de personalização simples do avatar ou personagem de um jogador, até um upgrade em equipamentos (como armas ou melhorias) que oferecem aos jogadores vantagens para a sua performance nesse videojogo. Os consumidores desconhecem o conteúdo digital dessas caixas ou pacotes para pagar por elas.

O Relatório agora divulgado denuncia os problemas levantados pelas loot boxes que, regra geral, prejudicam gravemente os direitos e interesses dos consumidores, sobretudo dos mais vulneráveis, quer via mecanismos predatórios, quer promovendo o vício do jogo, visando sempre e somente o seu lucro.

A indústria de videojogos, através de técnicas de marketing agressivo, exploração de predisposições e probabilidades enganosas – escondendo-se atrás da utilização de moeda virtual, manipula os comportamentos dos consumidores, inclusive menores, levando-os a gastar elevadas quantias em dinheiro.

Regulamentação? Uma necessidade óbvia e urgente

A indústria de videojogos é uma das maiores indústrias de entretenimento, mais lucrativa do que as cinematográfica ou musical. Em todo o mundo, mais de 2,8 bilhões de consumidores jogam com regularidade videojogos, incluindo crianças e adolescentes. Nas últimas duas décadas, as compras de conteúdo digital adicional tornaram-se uma importante fonte de receita para o setor, gerando mais de 13,5 bilhões de euros.

Porém, e apesar de ser uma grande indústria, o setor dos videojogos, considerado por muitas autoridades um nicho de mercado de entretenimento, tem evitado a investigação pública e a aplicação de regulamentação.

Devido à dimensão do mercado e ao número de consumidores afetados, a DECO, em conjunto com 20 organizações de consumidores, exige que as autoridades nacionais e da UE desenvolvam urgentemente investigações e intervenções regulamentares ao mercado dos videojogos. Reivindicamos a adoção de medidas rigorosas, incluindo a proibição de design enganoso, proteção específica para menores e transparência comercial. As autoridades nacionais e europeias e a indústria deverão garantir um ambiente seguro e transparente para os jogadores.

 

 

Conte com o apoio da DECO MADEIRA através do número de telefone 968 800 489/291 146 520, do endereço eletrónico deco.madeira@deco.pt. Pode também marcar atendimento via Skype. Siga-nos nas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram, Linkedin e Youtube!

 

 

 

Recomendadas

Custos de construção de habitação nova aumentam 13% em termos homólogos

Os custos de construção de novas habitações em outubro aumentaram 12,5% face ao ano passado, estima o Instituto Nacional de Estatística. O valor fica 0,8 pontos percentuais abaixo dos dados de setembro. Materiais e custo da mão-de-obra representam as maiores variações.

Taxas Euribor continuam a subir e os consumidores a enfrentar dificuldades

A Euribor tem subido de forma acentuada nas últimas semanas, levando ao aumento das prestações mensais do crédito à habitação, logo a um agravamento das dificuldades das famílias. A taxa da Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 06 de junho de 2022, está atualmente acima dos 2,4%. Este é um novo máximo desde janeiro de 2009.

Já tem o seu pinheiro de Natal? Saiba que esta compra pode ser um ato solidário

A escolha das luzes de Natal também deve ser cuidada. Opte por um sistema de luzes led com transformador de baixa tensão.
Comentários