Deco Proteste critica aumentos previstos a partir de janeiro nos serviços extra-portagem

Deco Proteste aponta que a Via Verde “não acrescentou, afinal, qualquer serviço àquilo que já oferecia antes de 5 de janeiro”.

Via Verde (Mobilidade)

A Deco Proteste critica duramente os novos tarifários da Via Verde apontando que o novo tarifário “prevê aumentos de 50% em assinaturas que integram serviços habituais e elimina a possibilidade de aquisição de um identificador”. A Via Verde conta com três milhões de clientes em Portugal.

A associação “repudia a prática comercial anunciada pela empresa, que sujeita os clientes a aumentos que chegam aos 50%, muito acima dos 3% previstos para a inflação, para manterem o acesso aos serviços que já tinham contratado com o operador, o que só pode estar escudado pelo facto lamentável de não existir concorrência que ameace o domínio inequívoco da Via Verde neste mercado”.

“Mascarando agora o novo tarifário numa suposta reestruturação da oferta, constatamos que a Via Verde não acrescentou, afinal, qualquer serviço àquilo que já oferecia antes de 5 de janeiro. Apenas conduzirá os consumidores a pagarem muito mais caro pelo mesmo conjunto de serviços de que já dispunham

A associação também critica ainda a “decisão da Via Verde em descontinuar a venda de identificadores, obrigando potenciais clientes a vincularem-se a assinaturas que não desejam e que, em muitos casos, acabam por ser mais dispendiosas para os utilizadores de autoestradas. A organização receia até que os atuais proprietários de identificadores acabem por ser encurralados no momento em que os seus dispositivos precisem de nova pilha, não lhes sendo dada outra alternativa que não a subscrição de uma assinatura”.

A empresa é o único operador no sistema de cobrança de portagens em Portugal. Com cerca de três milhões de clientes, esta é a “única opção para pagamentos de portagens por débito de forma automática”. Os pagamentos por este método pesaram 84% nos pagamentos em autoestradas em 2020.

Estas são as novas modalidades disponíveis:

“Via Verde Autoestrada” – fica disponível mediante o pagamento mensal de 99 cêntimos (com redução de 50 cêntimos se aderir ao extrato eletrónico). Esta assinatura dá apenas acesso ao pagamento de portagens.

“Via Verde Mobilidade” – fica disponível mediante o pagamento mensal de 1,49 euros (com redução de 50 cêntimos se aderir ao extrato eletrónico). Esta assinatura dá acesso ao pagamento de portagens e aos serviços complementares disponibilizados pela Via Verde, como o pagamento de parques de estacionamento ou abastecimentos de combustível, entre outros.
No tarifário ainda em curso, o acesso a estes serviços corresponde a uma mensalidade de 99 cêntimos.

“Via Verde Mobilidade Leve” – inclui os mesmos serviços que a “Via Verde Mobilidade”, mas a mensalidade de 1,75 euros é paga exclusivamente nos meses em que o serviço é utilizado.
No tarifário ainda em curso, o acesso a estes serviços corresponde a uma mensalidade de 1,20 euros.

Deco Proteste explica: como vai funcionar a transição?

“A Via Verde está a contactar todos os clientes de assinaturas e a comunicar-lhes que, a partir de 5 de janeiro, serão conduzidos automaticamente para a nova oferta, com o mesmo leque de serviços disponibilizado anteriormente, mas com um “ajuste” no preço. A transição só não ocorre se o cliente tiver manifestado, por escrito, a sua oposição no prazo de dez dias úteis após ter recebido a comunicação informativa da Via Verde, terminando o contrato que o vincula ao operador.

Após a transição para a nova oferta, a Via Verde concede um período de transição, até 31 de março de 2022, durante o qual os aumentos de preços não serão cobrados aos clientes. A partir de 1 de abril, as novas assinaturas sofrem, em definitivo, a atualização de preços.

Durante o período de transição, os clientes podem ainda optar por aderir a outro pacote de assinatura de entre os três disponíveis na nova oferta da Via Verde. A alteração pode ser feita numa loja Via Verde ou, através da internet, na área pessoal do utilizador.”

Relacionadas

Via Verde vai ficar mais cara a partir de janeiro com serviços extra-portagens

A empresa gerida pela Brisa vai passar a contar com dois serviços: Via Verde Autoestrada e Via Verde Mobilidade, onde todos os serviços passam a estar diferenciados a um preço diferente.
Recomendadas

Venezuela prepara acordos com petrolífera Chevron após alívio de sanções

A Venezuela anunciou hoje que vai assinar, nas próximas horas, acordos com a petrolífera norte-americana Chevron para impulsionar o desenvolvimento local de empresas mistas (capital público e privado) e a produção de petróleo.

“Via Verde rejeita categoricamente qualquer acusação de burla” que circule no Portal da Queixa

“Sempre que um cliente passa numa portagem e a transação falha, a Via Verde comunica diretamente com o cliente a dar conta de um eventual problema”, justifica. “Este alerta visa sempre proteger os clientes. Se o problema for confirmado, o cliente pode subscrever um plano Via Verde ou, se assim preferir, comprar um identificador novo”, esclarece fonte oficial da empresa ao JE.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.
Comentários