DECO: Ryanair continua a ignorar os direitos dos consumidores portugueses

“Destacamos, além da ausência de apoio ao cliente a falta de informação e transparência”, acusa a Associação.

A Associação Portuguesa para a defesa dos consumidores, DECO, chama a atenção para o aumento das reclamações em relação à transportadora Ryanair e apresenta as suas razões: “Após mais de 10 anos a operar em Portugal, a Ryanair continua sem serviço de apoio ao cliente no nosso país, mantendo a exigência de apresentação de reclamação em língua inglesa. Aliás, as suas respostas aos conflitos denunciados pela DECO são sempre redigidas em inglês. A situação é mais gravosa se se considerar que a Ryanair já executa voos domésticos.”

O aumento do número de reclamações sem resposta da companhia aérea levou a DECO a analisar o sítio na internet da Ryanair. A análise das Condições Gerais de Transporte de Passageiros e Bagagem provou a existência de um conjunto significativo de cláusulas abusivas, segundo a Associação Portuguesa para a defesa dos consumidores. “Destacamos, além da ausência de apoio ao cliente a falta de informação e transparência.”

A DECO acrescenta ainda que “já denunciou esta falta de transparência à autoridade competente e continuará atenta a este caso, exigindo que se adotem todas as medidas que protejam eficazmente os consumidores.”

Recomendadas

Digi e Cellnex celebram acordo para instalação de rede 5G em Portugal

Esta é a primeira informação oficial a surgir depois de a Digi ter investido mais de 67 milhões de euros na compra de licenças 5G no leilão da Anacom.

Mastercard quer oferecer soluções tecnológicas de pagamento que incluam criptomoedas

A Economista Responsável pelos Mercados da Europa, Médio-Oriente e África no Instituto Económico da Mastercard, Natalia Lechmanova, mostrou como os hábitos dos consumidores estão a alterar-se nas economias ocidentais, onde “as pessoas estão a dar cada vez mais prioridade às experiências e menos a “coisas”.

Mobilidade Sustentável: conheça a aposta da Schindler

Com a missão de ser cada vez mais sustentável, a Schindler estabeleceu para o ano de 2030 uma redução de 50% nas emissões de gases com efeito de estufa das suas atividades, com base nos dados de 2020.
Comentários