Deepneuronic. Startup da Covilhã recebe 1,5 milhões de euros para melhorar videovigilância

A empresa fundada em 2021 pelos investigadores e engeneiros informáticos Vasco Lopes e Bruno Degardin recebeu novo financiamento do fundo “Ged Tech Seed Fund”, da sociedade de capital de risco Ged Ventures Portugal.

A startup portuguesa Deepneuronic, que desenvolveu tecnologia baseada em Inteligência Artificial para melhorar e automatizar os sistemas de videovigilância, recebeu um investimento de 1,5 milhões de euros da gestora de capital de risco Ged Ventures Portugal, através do seu “Ged Tech Seed Fund”.

Fundada em 2021 por dois engenheiros informáticos e investigadores da Universidade da Beira Interior, a empresa com sede na Covilhã dedica-se a digitalizar o processo de supervisão de câmaras de vigilância com deteção automática, em tempo real, de situações anormais e perigosas, como acidentes rodoviários, incêndios, objetos abandonados, agressões, tiroteios, assaltos, quedas, entre outras.

O sistema criado por Vasco Lopes e Bruno Degardin emite alertas visuais e sonoros imediato e permite ao utilizador aceder ao histórico de acontecimentos na infraestrutura onde está instalado. Na base estão redes neuronais profundas aplicadas à visão computacional.

“As infinidades de situações perigosas tornam o problema bastante complexo, contudo é exatamente este o foco de diferenciação da Deepneuronic. A nossa tecnologia tem a flexibilidade para rapidamente se adaptar a situações anteriormente desconhecidas”, garantem os fundadores da Deepneuronic, em comunicado divulgado aos meios de comunicação social.

Para Vasco Lopes e Bruno Degardin, após um ano de desenvolvimento e validação da solução que criaram, “o investimento da Ged Ventures Portugal representa uma parceria estratégica, uma vez que permitirá consolidar a nossa tecnologia, nomeadamente na continuação do trabalho de Investigação e Desenvolvimento, permitindo alcançar o mercado internacional”.

Francisco Lino Marques, sócio e membro do conselho de administração da Ged Ventures Portugal, garante que a equipa de investidores acredita “que a solução concebida pela empresa irá permitir não só combater, de forma rápida e eficaz, possíveis situações de perigo, como também reduzir consideravelmente custos relacionados com segurança, numa altura em que o tema se encontra na agenda mediática”.

O grupo financeiro Ged, de Lisboa, está presente na Europa, Estados Unidos e América do Sul e gere mais de mil milhões de euros em ativos nas áreas de venture capital, private equity e infraestruturas. O investimento anunciado esta terça-feira surge após o financiamento que de 535 mil euros que a Deepneuronic teve do Portugal 2020 e o de 75 mil euros do business angel Sergio Giacoletto, ex-vice presidente executivo da Oracle.

Recomendadas

Venezuela prepara acordos com petrolífera Chevron após alívio de sanções

A Venezuela anunciou hoje que vai assinar, nas próximas horas, acordos com a petrolífera norte-americana Chevron para impulsionar o desenvolvimento local de empresas mistas (capital público e privado) e a produção de petróleo.

“Via Verde rejeita categoricamente qualquer acusação de burla” que circule no Portal da Queixa

“Sempre que um cliente passa numa portagem e a transação falha, a Via Verde comunica diretamente com o cliente a dar conta de um eventual problema”, justifica. “Este alerta visa sempre proteger os clientes. Se o problema for confirmado, o cliente pode subscrever um plano Via Verde ou, se assim preferir, comprar um identificador novo”, esclarece fonte oficial da empresa ao JE.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.
Comentários