Defesa defende implementação “decidida, sem hesitações” para potenciar novas leis

A ministra da Defesa destacou este sábado que as reformas introduzidas representaram “um passo fundamental para capacitar as Forças Armadas” face a um cenário “cada vez mais exigente”, mas defendeu uma implementação “sem hesitações” para “ganhos concretos e duradouros”. Helena Carreiras falava na ilha de São Jorge na cerimónia militar das comemorações do Dia do […]

A ministra da Defesa destacou este sábado que as reformas introduzidas representaram “um passo fundamental para capacitar as Forças Armadas” face a um cenário “cada vez mais exigente”, mas defendeu uma implementação “sem hesitações” para “ganhos concretos e duradouros”.

Helena Carreiras falava na ilha de São Jorge na cerimónia militar das comemorações do Dia do Estado-Maior-General das Forças Armadas.

Segundo a ministra da Defesa Nacional, a reforma do comando superior das Forças Armadas, iniciada na anterior legislatura, foi “crucial para o futuro” das Forças Armadas, assim como a nova Lei Orgânica de Bases da Organização das Forças Armadas (LOBOFA).

Importantes foram também as alterações à Lei de Defesa Nacional, que entraram em vigor em 2021, e que visam “reforçar a capacidade de comando e controlo das Forças Armadas, numa lógica operacional conjunta e integrada, minimizando redundâncias e estabelecendo linhas de comando definidas”, acrescentou.

“Estas alterações representaram um passo fundamental para capacitar as Forças Armadas face a um cenário envolvente cada vez mais exigente e complexo, nomeadamente em áreas operacionais vitais, como a ciberdefesa, o espaço ou o apoio militar a emergências civis. Os novos Decretos Regulamentares do EMGFA [Estado-Maior-General das Forças Armadas] e dos ramos, que se encontram atualmente em processo legislativo, irão completar formalmente este processo”, sustentou.

Mas, “apenas com uma implementação decidida, sem hesitações”, poderá o “potencial que estas novas leis encerram traduzir-se em ganhos concretos e duradouros para a Defesa Nacional e para Portugal”, defendeu Helena Carreiras.

A ministra da Defesa Nacional referiu também o caso da reforma da saúde militar, que “exige uma otimização das estruturas existentes que promova a sua complementaridade e harmonização”, para “evitar uma dispersão de recursos materiais e humanos” e assegurando “estruturas e serviços de saúde mais eficientes e atempados” para beneficiários e utentes.

Helena Carreiras considerou ainda que o papel central do EMGFA “passa invariavelmente pelo reconhecimento do potencial multiplicador da investigação e desenvolvimento” e por “reforçar a proximidade” entre a sociedade e as Forças Armadas.

“Para esse objetivo, o Governo conta, como sempre contou, com o aconselhamento do Chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas”, sustentou, destacando o trabalho realizado pelo Almirante Silva Ribeiro, que exerce o cargo de CEMGFA, desde 2018, o “envolvimento e profissionalismo” dos militares e civis que prestam serviço no EMGFA e daqueles que estão “além-fronteiras”.

Helena Carreiras sublinhou que “o país confia nas suas Forças Armadas”, o que advém da “capacidade de responder de forma coerente e eficaz aos novos desafios securitários”, numa “articulação crescente” entre os ramos das Forças Armadas e os serviços centrais do Ministério.

Helena Carreiras sublinhou “os esforços desenvolvidos em prol da conservação da memória dos antigos combatentes, em particular daqueles que perderam a sua vida ao serviço de Portugal, no país e no exterior, em parceria com a Liga dos Combatentes e com a Direção Geral de Recursos da Defesa Nacional, contribuindo assim para que as próximas gerações possam conhecer e honrar um importante legado da nossa história militar”.

Na sua intervenção, a ministra destacou “o aumento gradual e consistente de Forças Nacionais Destacadas, que em muito prestigiam Portugal” que tem “775 militares integrados em 17 missões em quatro continentes, sob a égide da ONU, da NATO, da UE e no âmbito bilateral”.

“Esta semana, em Praga, na reunião informal de ministros da Defesa da União Europeia, tive também a ocasião de manifestar o apoio de Portugal a uma futura missão de assistência militar da UE à Ucrânia”, referiu.

“Prolongando uma consistente e extremamente bem-sucedida experiência de comando de missões internacionais, temos hoje oficiais portugueses a comandar a missão Atalanta no Índico e a missão de treino da UE em Moçambique. Muito em breve, um outro oficial assumirá o comando da missão de treino da União Europeia na República Centro-Africana”, acrescentou.

A ministra destacou o “contributo diário” das Forças Armadas no apoio às Regiões Autónomas, em operações de busca e salvamento, evacuações médicas de emergência ou transporte de órgãos.

No dia em que iniciou a sua primeira visita oficial aos Açores, a ministra da Defesa Nacional reiterou uma “estreita colaboração com as autoridades legislativas e executivas regionais” e o incremento de “parcerias”.

Recomendadas

Morreu antigo chefe do Exército, Cerqueira Rocha

O antigo chefe do Estado-Maior do Exército general Octávio Cerqueira Rocha morreu na quinta-feira, aos 90 anos, informou hoje o Exército, que expressou “profunda consternação” e destacou o “ímpeto renovador” do militar.

Forças Armadas acompanham navios de guerra russos na passagem por mar português

As Forças Armadas vão acompanhar dois navios de guerra russos no mar português, com destino ao Mediterrâneo, nos próximos dias, informou hoje o EMGFA, assinalando que se trata de “um procedimento normal”.

Forças Armadas em “queda avassaladora” no número de militares

Caso se mantenha a tendência, o ano 2022 tornar-se-á o pior desde 2011. Os efetivos oficiais são menos 9.114 do que há dez anos (queda de 26%), lembra a Associação de Oficiais das Forças Armadas.
Comentários