Défice cai 2.326 milhões de euros até novembro

“Esta evolução resulta do crescimento da receita de 4,3% e da contenção do crescimento da despesa em apenas 0,8%”, referiu a Direção Geral Orçamental.

O défice das Administrações Públicas (AP) até novembro ficou nos 2.084 milhões de euros, menos 2.326 milhões de euros que em igual período de 2016, de acordo com os dados divulgados esta quarta-feira pela Direção Geral do Orçamento (DGO).

“Esta evolução resulta do crescimento da receita de 4,3% e da contenção do crescimento da despesa em apenas 0,8%. O excedente primário ascendeu a 5.800 milhões de euros, uma melhoria de 2.281 milhões de euros”, referiu a DGO em comunicado.

A DGO salientou ainda que a evolução do défice ao longo do ano garante, pelo segundo ano consecutivo, o cumprimento dos objetivos orçamentais estabelecidos no Orçamento do Estado. “A rigorosa execução orçamental, associada à evolução positiva da receita, permitem a redução da dívida pública em percentagem do PIB”, acrescentou.

No que diz respeito à receita fiscal do subsetor Estado cresceu 5,5% até novembro, enquanto a receita bruta de IVA cresceu 7,6%, a do IRC aumentou 19,7% e das retenções na fonte de IRS 4%. Segundo a DGO, os aumentos refletem “o bom momento do mercado de trabalho, também visível no crescimento de 6,6% das contribuições para a Segurança Social”.

Do lado das despesas, a despesa primária das AP aumentou 1% até novembro face ao período homólogo, “ainda sem refletir o pagamento de metade do 13.º mês dos pensionistas da Segurança Social”. A dívida não financeira nas AP diminuiu 260 milhões de euros, em termos homólogos.

[Notícia atualizada às 16h37]

Relacionadas

Défice orçamental cai para 0,3% do PIB

Os dados divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística, referentes ao terceiro trimestre, mostram ainda que a capacidade de financiamento da economia portuguesa subiu dois pontos percentuais para 1,1% do PIB. O défice fica abaixo da meta do Governo para o conjunto do ano de obter um défice 1,4% do PIB.

Marcelo considera défice abaixo de 1,3% “boa notícia” e espera mais crescimento

O Presidente da República considerou hoje “uma boa notícia” o défice deste ano ficar abaixo de 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB) e afirmou que ainda espera que o crescimento possa “ir um bocadinho além” do previsto.
Recomendadas

OCDE. Escassez de energia pode levar a recessão na Europa e aumentar inflação em 1,5 pontos percentuais

Uma escassez de energia mais grave, especialmente de gás, poderia aumentar a inflação da zona euro em 1,5 pp (pontos percentuais) e reduzir o crescimento na Europa em mais de 1,2 pp, levando a uma recessão, alerta a OCDE.

OCDE mais pessimista para 2023 vê economia da zona euro crescer 0,3% e inflação de 6,2%

Nas previsões económicas intercalares divulgadas hoje, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) revela-se mais otimista sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro deste ano, melhorando a estimativa em 0,5 pontos percentuais (pp.) face a junho, para 3,1%, mas cortou em 1,3 pp. a de 2023 para 0,3%.

OCDE mantém crescimento global deste ano de 3% mas corta o de 2023 para 2,2%

A OCDE manteve as perspetivas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial deste ano em 3%, prevendo que as economias do G20 cresçam 2,8% (menos 0,1 ponto percentual (pp.) do que em junho).
Comentários