Défice em 3% e crescimento de 1,2%, prevê S&P

A Standard & Poor’s estima que o défice orçamental alcance os 3% e o crescimento da economia portuguesa fique pelos 1,3% em 2015, previsões piores do que as inscritas pelo Governo na proposta de Orçamento do Estado. Num comunicado divulgado pela agência de notação financeira, o défice orçamental no próximo ano deverá ficar 0,3 pontos […]

A Standard & Poor’s estima que o défice orçamental alcance os 3% e o crescimento da economia portuguesa fique pelos 1,3% em 2015, previsões piores do que as inscritas pelo Governo na proposta de Orçamento do Estado.

Num comunicado divulgado pela agência de notação financeira, o défice orçamental no próximo ano deverá ficar 0,3 pontos percentuais acima dos 2,7% inscritos pelo executivo na proposta de Orçamento.

Já as estimativas de crescimento económico para 2015 da Standard & Poor’s (S&P), cujas notações atribuídas a Portugal não são solicitadas, ficam 0,2 pontos abaixo dos 1,5% previstos pelo Governo.

A agência de notação antecipa uma dívida pública de 124% do Produto Interno Bruto (PIB) para o próximo ano, acima dos 123,7% estimados pelo Governo.

Ainda para este ano, a S&P confirma a previsão do Governo de um défice de 4,8% do PIB, antecipa que a dívida pública se fixe nos 127% e é ligeiramente menos otimista quanto ao crescimento económico, esperando que o PIB aumente 0,9%.

O executivo liderado por Pedro Passos Coelho estima um crescimento económico de 1% este ano e uma dívida pública de 127,2%.

Para 2016, a agência prevê um défice de 2,5%, um ponto percentual acima do que o Executivo inscreveu para esse ano no Documento de Estratégia Orçamental (DEO) divulgado no final de abril.

Para esse ano, a S&P confirma a estimativa de crescimento de 1,7% antecipada pelo Governo e estima uma dívida pública de 122,2% do PIB, ligeiramente abaixo dos 122,7% inscritos no DEO.

As previsões da agência de notação financeira encerram uma semana de várias estimativas macroeconómicas desfavoráveis relativamente às do Governo.

A Comissão Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) antecipam, respetivamente, défices acima de 3,3% e de 3,4% do PIB em 2015, acima não só da meta de 2,7% inscrita na proposta de OE2015, mas também dos 3% que foram assumidos como “ponto de honra” pelo executivo para o país sair do Procedimento de Défices Excessivos.

A Standard & Poor’s informou hoje também que manteve o ‘rating’ de Portugal em ‘BB’ atribuído à dívida de longo prazo, permanecendo num nível de ‘lixo’, mantendo também as perspetivas estáveis.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.