Défice público desce em novembro. Falta o Banif

Novo resgate ao Banif vai fazer com que o défice suba para mais de 4%


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O défice público apurado pelo INE até setembro ronda os 4.843,7 milhões de euros, ou seja, 3,6% do Produto Interno Bruto (PIB). O défice atingiu os 4.805 milhões de euros até novembro, uma melhoria de 1.736 milhões de euros face ao mesmo período de 2014 e de 13 milhões de euros em relação a outubro.

De acordo com a síntese da execução orçamental divulgada, considerando o universo comparável das administrações públicas (que exclui aquelas entidades que foram reclassificadas apenas em 2015), o défice atingiu os 4.679,5, o que representa uma melhoria homóloga de 1.736 milhões de euros até novembro, o que é explicado “pelo efeito combinado da diminuição da despesa e do aumento, em menor proporção, da receita”.

A receita fiscal das administrações públicas aumentou 0,6%, em termos homólogos, um crescimento impulsionado pelo aumento de 5,2% da receita fiscal, que foi “parcialmente anulado pela evolução negativa das restantes componentes da receita”.

Banif estraga as contas

O novo resgate ao Banif vai fazer com que o défice suba para mais de 4%. Mário Centeno já tinha previsto que esta situação “vai fazer aumentar o défice em mais de um ponto percentual do Produto Interno Bruto”, disse. No entanto, e tal como aconteceu no caso do Novo Banco, Bruxelas deverá perdoar esta despesa por ser extraordinária e uma medida de apoio à estabilidade financeira.

OJE

Recomendadas

Barril de petróleo russo limitado a 60 dólares após acordo entre G7 e Austrália

Após acordo alcançado pela União Europeia, os países do G7, juntamente com Austrália, concordam com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo. Moscovo repete que não aceita.

Redução da produção de petróleo? “Necessária e correta”, diz OPEP+

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados (OPEP+) decidiu este domingo continuar a aplicar um corte na produção de petróleo em 2023, uma medida que defendeu ser “necessária e correta”.

PremiumMercados somam e seguem

Índices acionistas encerram em alta em novembro, somando segundo ganho mensal consecutivo.