PremiumDeloitte prestes a iniciar auditoria à venda de ativos do Novo Banco

O Fundo de Resolução tem quase fechado o caderno de encargos da auditoria que a Deloitte vai fazer ao banco e deverá chegar às Finanças depois do Natal. Entre outras coisas a auditora vai avaliar se a venda de créditos foi feita depressa demais.

O caderno de encargos que define o que, contratualmente, a Deloitte vai ter de fazer no Novo Banco, e que configura o mandato do auditor, vai ser entregue ao Ministério das Finanças depois do Natal, apurou o Jornal Económico (JE) junto de fonte ligada ao processo. A auditoria procurará saber se o Novo Banco vendeu as carteiras de crédito depressa demais, em vez de dar tempo para que valorizem, de maneira a diminuir os prejuízos e pedir menos capital ao Fundo de Resolução.

Nos primeiros nove meses do ano, o Novo Banco registou um prejuízo de 572,3 milhões de euros, mais 46% do que no período homólogo de 2018. Para este resultado negativo contribuiram de forma significativa as perdas registadas na venda de ativos como créditos malparados e imóveis.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Diferendo entre Ordem dos Advogados e Conselho de Deontologia de Lisboa volta “à estaca zero”

O despacho deixa o recurso apresentado em janeiro desse ano pelo bastonário, Luís Menezes Leitão, novamente por decidir, contrariando o próprio entendimento que esta 3.ª Secção do CS havia tido anteriormente.

Advogados do caso BES querem Supremo a decidir pela manutenção de Ivo Rosa no processo

Na terça-feira a providência 24/22, deu entrada no Supremo e ficou decidido como relator o juiz conselheiro Manuel Capelo, segundo a “TSF”.

Empresas podem participar num estudo gratuito sobre clima organizacional até novembro

Em cada edição, o Índice da Excelência premeia as organizações que apresentam um melhor clima organizacional e que se destacam como organizações de excelência em Portugal. Para participar, as empresas terão de concluir a sua inscrição até ao final de novembro.
Comentários