Demissão do presidente da Boeing não faz abanar Wall Street no início da sessão

No inicio da sessão esta segunda-feira, o S&P 500 sobe 0,12%, para 3.225,20 pontos; o tecnológico Nasdaq cresce 0,16%, para 8.939,50 pontos; e o industrial Dow Jones valoriza 0,35%, para 28.553,89 pontos.

Reuters

A bolsa de Nova Iorque abriu a semana em terreno positivo motivada pela valorização da Boeing esta segunda-feira, de 3,2% depois de demitir o presidente Dennis Muilenburg, após um ano de intenso escrutínio e reversos industriais provocados por acidentes fatais do seu jato 737 MAX.

No inicio da sessão esta segunda-feira, o S&P 500 sobe 0,12%, para 3.225,20 pontos; o tecnológico Nasdaq cresce 0,16%, para 8.939,50 pontos; e o industrial Dow Jones valoriza 0,35%, para 28.553,89 pontos. O índice S&P registou 23 novos máximos de 52 semanas e nenhum novo mínimo, enquanto o Nasdaq registou 64 novos máximos e 14 novos mínimos.

A Apple, que geralmente é sensível a notícias relacionadas com o comércio, subiu 1%. As ações da empresa também ajudaram a elevar o amplo setor de tecnologia S&P 500.

A Apache Corp saltou 7,8%, depois da produtora de petróleo e gás indicar que formou uma joint venture com a Total France (TOTF.PA) para desenvolver um projeto no Suriname.

Poucos indicadores económicos são esperados numa semana de negociações abreviadas pelo feriado de Natal, com foco voltado para o resultado das despesas de consumo pessoal dos EUA para novembro, previsto para sexta-feira.

Recomendadas

PremiumReserva Federal penaliza mercados

A postura mais ‘hawkish’ do que o esperado do banco central norte-americano empurra os mercados para perto de mínimos do ano.

Wall Street encerra semana com principais índices a perder mais de 1,50%

O Dow Jones encerrou o dia a ceder 1,62% para 29.590,41 pontos, o S&P500 a perder 1,67% para 3.695,10 pontos e o tecnológico Nasdaq a recuar 1,80% para 10.867,93 pontos.

Euro e libra recuam para mínimos de décadas face ao dólar

O euro e a libra terminaram hoje a semana a recuar para mínimos de décadas face ao dólar, com as moedas europeias pressionadas por receios de recessão e o dólar a beneficiar do estatuto de ativo seguro.
Comentários