Demissão Marta Temido. “Ficamos sem saber se se demite uma ministra ou se se acaba uma política”, diz IL

“Neste sentido, não é possível dizer se esta demissão é uma boa ou uma má notícia para aqueles portugueses que não têm alternativa senão recorrer aos serviços públicos de saúde”, afirma Cotrim de Figueiredo em comunicado.

Lusa

O líder da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, afirmou esta terça-feira que a demissão da ministra da Saúde, Marta Temido “não significa, necessariamente, uma alteração das políticas que têm conduzido ao caos no Serviço Nacional de Saúde (SNS)”. “Ficamos sem saber se se demite uma ministra ou se se acaba uma política”, sintetiza em comunicado.

“Neste sentido, não é possível dizer se esta demissão é uma boa ou uma má notícia para aqueles portugueses que não têm alternativa senão recorrer aos serviços públicos de saúde. Contudo, é fundamental perceber os motivos invocados pela ministra no momento da demissão. Que condições deixaram de existir esta madrugada? Que dado novo ou evolução recente levaram a esta decisão que, em face do estado de degradação do sistema de saúde ou mesmo dos casos particularmente trágicos que todas as semanas se sucedem, já poderia ter acontecido há meses?”, questiona.

Para o liberal, importa sobretudo entender se o primeiro-ministro, “que aceitou a demissão de imediato, está na prática a assumir o falhanço das opções políticas pelas quais é responsável. O chefe do Governo tem de vir dar explicações ao país e dizer, com clareza, que orientações políticas vai dar ao novo titular da pasta. Se António Costa optar por uma solução de continuidade de políticas e de responsáveis, continuará, também, a ser o maior responsável pelo estado calamitoso do SNS”, defendeu.

“Só uma reforma profunda do sistema, como a que a Iniciativa Liberal defende, baseada na concorrência entre prestadores e na liberdade de escolha dos doentes, poderá dar aos portugueses cuidados de saúde com a qualidade e celeridade que merecem, e que os brutais impostos que pagam justificam”, conclui a nota.

Recomendadas

Costa pede novas regras fiscais europeias que permitam investimentos estratégicos

Quando a União Europeia debate uma revisão das regras fiscais e financeiras o primeiro-ministro, António Costa, considera que existe uma proposta da Comissão que já tem “contributos muito positivos”, no entanto, é necessário, para além desses contributos, “um estabilizador macroeconómico permanente”, para “estabilização em situações de crise”.

Detida vice-presidente do Parlamento Europeu em investigação de lóbi ilegal do Qatar

A social-democrata grega Eva Kaili, está entre os cinco detidos na Bélgica no âmbito de uma investigação sobre alegado lóbi ilegal do Qatar para influenciar decisões políticas em Estrasburgo, diz a imprensa belga.

Eutanásia: Montenegro reitera dúvidas e diz que PS e Chega são “cúmplices no medo do referendo”

A Assembleia da República aprovou a despenalização da morte medicamente assistida em votação final global, pela terceira vez, com votos a favor da maioria da bancada do PS, da IL, do BE, dos deputados únicos do PAN e Livre e ainda de seis parlamentares do PSD. Votaram contra a maioria da bancada do PSD, os grupos parlamentares do Chega e do PCP e seis deputados do PS, registando-se três abstenções entre os sociais-democratas e uma na bancada socialista.
Comentários