Demissão na CGD: Mais seis administradores acompanham Domingues

Em comunicado enviado à CMVM, seis administradores da equipa de Domingues comunicaram a sua saída. Dos 11, só sobram quatro.

Rafael Marchante/Reuters

De acordo com o comunicado enviado pela Caixa Geral de Depósitos à CMVM, são mais seis os administradores que abdicam dos cargos: Emídio José Bebiano e Moura da Costa Pinheiro, Henrique Cabral de Noronha e Menezes, Paulo Jorge Gonçalves Pereira Rodrigues da Silva, Pedro Lopo de Carvalho Norton de Matos, Angel Corcóstegui Guraya e Herbert Walter.

Com estas saídas, restam apenas quatro dos 11 administradores que tomaram posse a 31 de agosto passado: Tiago Rarava Marques, João Tudela Martins, Pedro Leitão e Rui Vilar (administrador não executivo).

António Costa e Mário Centeno terão agora de escolher o novo presidente da CGD. Há duas semanas, foi noticiado que existia um “plano B” para a liderança do banco público, mas na altura o Ministério das Finanças desmentiu essas notícias. Agora, caso de de facto não exista, esse “plano B” terá de ser criado.

Relacionadas

Quem é António Domingues?

Tem uma vasta experiência no setor bancário e, entre os amigos, há quem diga que lida bem com a polémica. Gosta de vela, filosofia e música clássica.

Domingues sai da Caixa após ser impedido de fazer declaração secreta

Paulo Macedo, Carlos Tavares e Nuno Amado estarão entre os potenciais futuros presidentes do banco público.

PSD, CDS e BE obrigam gestores da CGD a declarar património ao Constitucional

Só a CGD e o caso dos administradores liderados por António Domingues conseguiram pôr o Bloco de Esquerda ao lado da direita.

CGD: O que falhou na presidência de António Domingues?

António Domingues começou por ver o estatuto do gestor público alterado de modo a que pudesse receber um salário de 423 mil euros por ano (mais de 30 mil euros por mês) na CGD. Mas acaba por ficar 4 meses sem que consiga recapitalizar e reestruturar a Caixa.

António Domingues demitiu-se da CGD

O presidente da Caixa tomou uma decisão relâmpago depois dos últimos acontecimentos.
Recomendadas

Credit Suisse recompra dívida própria no montante de 3 mil milhões

O Credit Suisse anunciou que irá comprar 3 mil milhões de francos suíços (3.094 milhões de euros) de dívida própria até meados de novembro. Entretanto a agência de rating Moody’s prevê que o Credit Suisse vai fechar este ano com prejuízos de 3 mil milhões de dólares o que pressionará o seu rácio de capital CET1.

PremiumCaixaBI põe a mira nas PME para fusões e aquisições

A instabilidade na economia e nos mercados traz riscos, mas também oportunidades, abrindo a porta a mais fusões e aquisições. Esta é a visão do CaixaBI, que está a abordar empresas nacionais mais pequenas que queiram crescer cá dentro ou lá fora.

PremiumBPI põe Inter-Risco à venda e sai da atividade de private equity

O banco detido pelo Caixabank quer sair do capital de risco e já acordou vender a sociedade Inter-Risco, que está entre as 14 escolhidas pelo Banco de Fomento para o “Programa Consolidar”.
Comentários