Democratas aprovam reforma da polícia nos Estados Unidos

A reforma aprovada na quinta-feira na Câmara dos Representantes recebeu o nome de George Floyd, o afro-americano assassinado por um polícia branco em Minneapolis, que o sufocou com um joelho durante quase 10 minutos.

Getty Images

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, controlada pelos democratas, aprovou na quinta-feira uma reforma da polícia, em resposta ao homicídio de um afro-americano sob custódia policial e aos protestos que abalaram o país.

O projeto de lei foi aprovado com 236 votos a favor e 181 contra, um dia depois de os democratas terem bloqueado no senado norte-americano uma lei republicana de reforma da polícia, considerando que não ia suficientemente longe, num contexto de contestação generalizada ao racismo e violência policial nos Estados Unidos.

A reforma aprovada na quinta-feira na Câmara dos Representantes recebeu o nome de George Floyd, o afro-americano assassinado por um polícia branco em Minneapolis, Minnesota, que o sufocou com um joelho durante quase 10 minutos, no final de maio, uma morte que provocou protestos em todo o país.

A oposição dos republicanos ao diploma (apenas três votaram a favor) torna no entanto muito difícil que a medida receba luz verde do senado, onde os republicanos têm a maioria, sem a qual não pode tornar-se lei.

Entre as múltiplas reformas que o projeto de lei estabelece está a proibição da asfixia como técnica policial, a eliminação da impunidade dos agentes, tornando mais fácil levá-los a julgamento, e a criação de uma base de dados nacional sobre abusos policiais.

“Há exatamente um mês, George Floyd proferiu as suas últimas palavras: ‘Não consigo respirar’, mudando o curso da história. A Câmara dos Representantes honra hoje [quinta-feira] a sua vida e a vida de todos aqueles que foram mortos pela brutalidade policial”, disse a líder democrata da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi.

O diploma tem o apoio de organizações de direitos civis, autarcas, artistas como Rihanna e membros da família de afro-americanos mortos pela polícia.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e os congressistas republicanos criticaram o projeto, considerando que “enfraquece a polícia”.

“O que vai acontecer quando tivermos uma força policial tímida e neutralizada?”, questionou o congressista republicano Glenn Grothman.

George Floyd, de 46 anos, morreu em 25 de maio, em Minneapolis (Minnesota), depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos numa operação de detenção, apesar de Floyd dizer que não conseguia respirar.

Desde a divulgação das imagens nas redes sociais, sucederam-se protestos contra a violência policial e o racismo em dezenas de cidades norte-americanas, algumas das quais foram palco de atos de pilhagem, um cenário que se estendeu também a várias cidades mundiais.

Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Mali. ONU lança apelo por 688 milhões de euros para ajudar 5,7 milhões de pessoas

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou hoje um apelo por 751 milhões de dólares (688 milhões de euros) para dar resposta às necessidades urgentes de 5,7 milhões de pessoas no Mali.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.
Comentários