Democratas e Republicanos chegam a acordo no congresso para aprovar estímulos de 900 mil milhões de dólares

“Vamos passar outro pacote de resgate o mais rápido possível. Mais ajuda está a caminho”, escreveu o senador do Partido Republicano Mitch McConnel, líder da maioria republicana no senado, no Twitter.

Congresso dos EUA chega a acordo para estímulos de 900 mil milhões de dólares
O Partido Democrata e o Partido Republicano chegaram a acordo no congresso norte-americano para votar um novo plano de apoio à economia durante a pandemia de Covid-19. O acordo foi alcançado no domingo, estando os congressistas dos dois partidos em negociações desde o verão, para um pacote de estímulos que deverá rondar os 900 mil milhões de dólares (cerca de 737 mil milhões de euros).

O anúncio do acordo foi feito pelo senador Mitch McConnel, líder da maioria republicana do Senado. “Finalmente, temos o avanço bipartidário que o país precisa”, anunciou McConnel no domingo, segundo a Reuters.

“Enquanto o povo americano continuar a lutar contra o coronavírus nesta temporada festiva, não estará por conta própria. O Congresso acaba de chegar a um acordo. Vamos passar outro pacote de resgate o mais rápido possível. Mais ajuda está a caminho”, escreveu o senador do Partido Republicano no Twitter.

Em causa está um novos apoios, que se inserem num num pacote total de 1,4 biliões de dólares destinados a auxiliar a economia norte-americana. Os 900 mil milhões de dólares devem ser aprovados esta segunda-feira.

Nos estímulos acordados pelos líderes do Senado e da Câmara dos Representantes constam pagamentos semanais de 300 dólares a cada desempregado, numa altura em que milhões de americanos já perderam o emprego e tantos outros caminham para lá.

Entre outras medidas previstas até setembro de 2021 estão um auxílio de 600 dólares a algumas famílias e subsídios para negócios afetados pela pandemia, bem como ajuda para escolas e entidades locais envolvidas na distribuição de vacinas contra a Covid-19.

A última vez que o congresso dos EUA anunciou apoios à economia foi em março, quando o plano financeiro de emergência à economia daquele país, no valor de dois biliões de dólares (cerca de 1,6 biliões de euros) foi aprovado. Foi o maior estímulo alguma vez aprovado na história dos EUA.

Acresce ao anúncio do acordo entre democratas e republicanos, a decisão do presidente cessante norte-americano, Donald Trump, em prolongar o financiamento do Governo federal por 24 horas para evitar o seu encerramento, o que poderia ter ocorrido à meia-noite devido à falta de financiamento.

A medida permite prolongar até à meia-noite de segunda para terça-feira o prazo para evitar o encerramento da Administração enquanto, em paralelo, enquanto o congresso detalha o pacote de estímulos destinado a mitigar os efeitos da pandemia na economia. Esta extensão do financiamento federal é a quarta desde setembro.

Atualmente, os EUA são o país mais afetado pela pandemia da Covid-19. Segundo os últimos dados, os EUA regista 316.202 mortos e mais de 17,6 casos confirmados de infeções. A campanha de vacinação já arrancou naquele país. A vacina que está a ser administrada é da Pfizer/BioNTech.

Recomendadas

Presidente da República de São Tomé e Príncipe pede investigação e responsabilização de culpados de mortes após ataque a quartel

Após o ataque de sexta-feira da semana passada ao quartel militar, numa ação classificada como “tentativa de golpe de Estado” pelas autoridades são-tomenses, o Presidente esclareceu que as “investigações prosseguem no sentido do apuramento geral da verdade”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

Ucrânia: Comissão Europeia quer criminalizar subversão das sanções à Rússia na UE

“A Comissão Europeia apresenta hoje uma proposta para harmonizar as infrações penais e as penas pela violação das medidas restritivas da UE [pois], embora a agressão russa à Ucrânia ainda decorra, é primordial que as medidas restritivas da UE sejam plenamente aplicadas e que a violação dessas medidas não seja compensadora”, salienta a instituição em comunicado de imprensa.
Comentários