Democratização de canais digitais torna SEO mais importante

Os canais digitais representam oportunidades para as empresas, especialmente para as mais pequenas, mas a grande concorrência neste espaço obriga as marcas a procurarem destaque nas pesquisas online.

A preponderância atual dos motores de pesquisa obriga as empresas a considerarem este veículo de divulgação como essencial na sua estratégia de marketing digital e a otimizarem a posição em que surgem nas buscas, considerando a relevância acrescida dada pelos consumidores aos primeiros resultados mostrados nestas páginas e as visitas que daí resultam. As novas ferramentas disponíveis neste campo são fundamentais para destacar determinada marca ou produto num espaço que garante mais oportunidades de divulgação a pequenos negócios, mas onde o elevado número de concorrentes obriga a uma estratégia bem definida.

O comércio eletrónico e a presença das marcas na esfera digital era uma realidade em visível crescimento já antes da pandemia, mas a necessidade de limitar contactos e as restrições à atividade económica alargaram esta tendência e transformou-a numa quase necessidade para muitos negócios que nunca haviam considerado esta ferramenta. Para estes negócios, tipicamente mais pequenos e em sectores mais tradicionais, o recurso a publicidade paga é menos viável, pelo que a otimização orgânica de resultados se afigura uma estratégia quase indispensável na promoção destas marcas através de canais digitais.

“Hoje em dia, enfrentamos uma intensa concorrência no online, porque a facilidade de acesso e a entrega, cada vez mais global, abriu-nos as portas ao mundo. Ao mesmo tempo, esta democratização do online garantiu uma igualdade de oportunidades para as pequenas e médias empresas (PME), que, independentemente da sua dimensão, podem alcançar uma forte presença online”, começa por referir ao Jornal Económico (JE) Marco Gouveia, formador e consultor em marketing digital.

No entanto, esta democratização é também sinónimo de concorrência acrescida, pelo que se torna crucial garantir o destaque de cada empresa nos resultados mostrados aos consumidores.

“É aqui que entra o Search Engine Optimization (SEO, em português, otimização de motores de pesquisa). O SEO permite-nos alcançar tráfego gratuito, porque se trata de pesquisa orgânica, não paga, e, sobretudo, qualificado, porque consegue impactar as pessoas que estão, efetivamente, interessadas no nosso produto. Quanto melhor for a nossa posição na página de resultados, maior o tráfego que vamos atrair para o nosso website, por norma”, continua Marco Gouveia.

Partilhando da noção da importância do SEO no contexto atual de marketing, Frederico Carvalho, consultor e CEO da DIGITALFC, acrescenta que o processo tem várias fases e fatores a ponderar, como começar “por identificar o que os utilizadores pesquisam, em função dos produtos ou serviços que a marca oferece e comunica; criar conteúdo que responda às necessidades do consumidor e às perguntas e pesquisas frequentes nos motores de pesquisa; conhecer e utilizar os sinais e ferramentas certos para que os sistemas de rastreio e algoritmos dos motores de pesquisa, através de várias técnicas de SEO, encontrem a marca, produto ou serviço em questão”.
Perspetivando uma “década nova e rica para os marketeers e empresários”, assente no SEO, Frederico Carvalho sublinha, ao JE, que a “velocidade da inovação obriga a que os profissionais de marketing saibam o que já funciona hoje, para melhor se prepararem para o futuro”. Assim, novas tendências inovadoras como machine learning ou pesquisas por voz obrigam a uma “formação especializada” que permita o uso correto das ferramentas mais eficientes para cada caso.

“As ferramentas existentes são muitas e cada uma delas tem uma função específica. Estão normalmente organizadas por categorias, como pesquisa de palavras-chave, SEO local, SEO mobile, SEO on-page, SEO off-page, velocidade do site, WordPress SEO, entre outras”, enumera o especialista em marketing digital e formador nesta área, que alerta que sites construídos sem estas ferramentas não permitirão o recurso a métricas úteis como origem do tráfego da página ou que palavras-chave mais contribuem para atrair visitas online.
Neste âmbito, ambos os especialistas na matéria destacam um instrumento ligado precisamente à escolha de palavras-chave para cada negócio, a Ahrefs.
“Apesar de ter um custo mensal mais elevado, é a ferramenta que usamos diariamente para garantir a máxima qualidade aos nossos clientes e parceiros. Em marketing digital, a escolha das palavras-chave é uma parte fundamental que ditará, juntamente com outros fatores, claro, o sucesso de uma estratégia, e o Ahrefs ajuda-nos nesse processo de seleção, de modo a conseguirmos perceber quais as palavras-chave mais adequadas para o nosso negócio e objetivo”, conclui Marco Gouveia.

Recomendadas

Governo apela a entendimento entre sindicato e administração da TAP para evitar greves

“O apelo que posso fazer é para que a administração, mas também o sindicato faça um esforço de entendimento e que se consiga poupar a TAP a mais cinco dias de greve”, afirmou Pedro Nuno Santos.

Datalex prevê levar software para advogados a Espanha e Brasil no próximo ano

O diretor da startup portuguesa Datalex disse ao Jornal Económico que a internacionalização passará por parcerias estratégicas. A empresa de tecnologia para juristas renovou recentemente a imagem de marca para apostar noutros mercados e prevê fechar 2022 com uma subida de até 62% na faturação.

Faturação da Warpcom sobe 14% para 35 milhões de euros

O volume de negócios da empresa de tecnologia portuguesa, adquirida no ano passado pela espanhola Evolutio, aumentou a dois dígitos em comparação com o ano fiscal anterior.
Comentários