Democratizar a literacia financeira para quebrar as barreiras da capacitação financeira

É essencial democratizar a literacia financeira para proporcionar a igualdade de oportunidades a todos os membros da sociedade para construir riqueza e assegurar o seu futuro financeiro.

A literacia financeira foca-se na compreensão dos conceitos financeiros e na capacidade de tomar decisões informadas sobre as mais variadas questões que possam surgir. Para alcançarmos uma sociedade menos desigual e mais livre, é importante que todos, e não apenas a classe alta ou aqueles que trabalham na indústria financeira, tenham uma compreensão elementar dos conceitos financeiros e de investimento.

De facto, a literacia financeira é um aspeto crucial para o bem-estar pessoal, financeiro e social. De acordo com o Conselho Nacional de Educadores Financeiros, os indivíduos com literacia financeira têm maior propensão para poupar, investir no futuro e tomar decisões financeiras informadas. Adicionalmente, um estudo do Investor Protection Trust mostra que as pessoas que estão atualizadas e investem no mercado de ações têm maiores probabilidades de alcançar um património líquido mais elevado e poupanças de reforma, contribuindo para uma maior estabilidade financeira no futuro.

No entanto, a literacia financeira não se apresenta igualmente nivelada em todos os segmentos da sociedade. Um relatório da Autoridade Reguladora da Indústria Financeira concluiu que as comunidades minoritárias e com menos rendimentos não têm amiúde acesso à educação e aos recursos financeiros, o que gera níveis mais baixos de literacia financeira. Refira-se, a propósito, que o Banco Central Europeu colocou Portugal no último lugar da zona euro no ranking da literacia financeira.

As consequências para estas comunidades são significativas. Por exemplo, um estudo do Urban Institute concluiu que as famílias com baixos rendimentos que não possuem literacia financeira veem as suas oportunidades de criação de riqueza e estabilidade financeira perdidas, além de apresentarem uma maior probabilidade de depender de empréstimos com juros altos e cartões de crédito, o que conduz à instabilidade e ao endividamento.

É, por isso, essencial democratizar a literacia financeira para proporcionar a igualdade de oportunidades a todos os membros da sociedade para construir riqueza e assegurar o seu futuro financeiro. E são muitas as formas como se pode contribuir para a promoção da literacia financeira. Por exemplo, as escolas podem incluir este tipo de conteúdos no seu plano de estudos, tal como as instituições financeiras podem oferecer recursos de educação financeira aos seus clientes. Além disso, as próprias organizações podem apoiar os seus colaboradores nesta área, através de serviços contratualizados, e todas as pessoas podem aumentar os seus conhecimentos sobre o tema, procurando os recursos que se encontram disponíveis (p. ex. cursos, notícias, entre outros).

A literacia financeira é essencial face aos desafios económicos que caracterizam a sociedade atual, uma vez que põem em causa a qualidade do futuro dos cidadãos. Só com a promoção da literacia financeira será possível criar mais oportunidades na sociedade, investindo os seus rendimentos de hoje no seu bem-estar financeiro de amanhã. Ao ajudar as pessoas a compreenderem conceitos financeiros e a tomarem decisões informadas sobre o seu capital, poderemos criar uma sociedade mais estável, próspera e equitativa.

Recomendadas

A Cultura vai-se fazendo

Existe uma visão economicista, que não permite gastos supérfluos e que mede o sucesso de um evento pelas receitas de bilheteira, como se esse fosse o único indicador possível para um serviço cultural de qualidade.

TAP: levantamos mais uma ponta do véu

Recorde-se que o plano de reestruturação da TAP, que todos fomos chamados a financiar enquanto contribuintes, nunca foi revelado aos portugueses.

‘Mónadas’ digitais

Há quem viva num estado de quase confinamento cognitivo. Lê aquilo que lhe interessa e crê naquilo que quer, suspeitando da informação que não confirme aquilo em que já acreditava. E se lhe tentarem mostrar algum equívoco ou absurdo, provavelmente recusa-se a ceder.
Comentários