Demos cabo da democracia. Agora queixamo-nos.

Com Trump, a América fica mais imprevisível e o mundo fica mais perigoso e menos seguro.

Foi Winston Churchill quem um dia afirmou que a democracia era o pior dos sistemas… com exceção de todos os outros. Hoje permito-me acrescentar que, além do pior dos sistemas é, também, o mais cínico dos sistemas. Não perdoa quando é maltratada, vilipendiada, agredida – e sabe vingar-se.

Durante décadas andámos a dar cabo da democracia. Desresponsabilizámos governos. Permitimos a emergência de centros de poder que ninguém conhece, ninguém controla, ninguém elegeu, mas mandam mais do que os titulares democraticamente eleitos. Assistimos pacificamente à perversão de modelos. Ao avanço desregulado da globalização. Ao desrespeito pela dignidade humana. E as pessoas, os cidadãos, no exercício da pouca cidadania que lhes resta resolvem dizer “não”, basta.

Escolhem quem lhes diz que o que existe não serve e que é preciso algo diferente. Não lhes importa em que consiste esse diferente, desde que seja diferente do que existe. E quando são chamadas a votar, votam contra o sistema. Contra o presente. Contra as formas de vida que lhes impuseram. Em França, escolhem Le Pen. Em Espanha, escolhem o Podemos. Em Itália, votam num palhaço. Na Grécia, escolhem o Syriza. Em Portugal, o BE. Na Holanda, a extrema-direita. Na Alemanha, o Alternativa pela Alemanha. Claro que a onda tinha de atingir os Estados Unidos. Donald Trump serviu para essa finalidade. Não interessa se são de esquerda, de centro ou de direita. São populistas porque dizem o que as pessoas querem ouvir. E as pessoas confiam-lhes o voto. Essencialmente para dizerem que não querem o que está.

Com Trump, a América fica mais imprevisível e o mundo fica mais perigoso e menos seguro. De facto, raramente a agenda dos candidatos vencedores coincide com a agenda dos Presidentes eleitos. Com Trump não deverá ser diferente. Mas a dúvida tem de se manter e a preocupação tem de subsistir. Não são dias de sol radiante que se anteveem no horizonte – como não o seriam, diga-se em abono da verdade, se Hillary tivesse ganho as eleições.

Recomendadas

Democratas dizem que ‘impeachment’ de Trump serve para garantir que “nenhum futuro presidente” volte a apelar à violência

Recorrendo a relatos policiais, de funcionários do Capitólio e a notícias de imprensa estrangeira, os democratas alegaam que Donald Trump foi o responsável pela invasão do Capitólio, tendo provocado danos políticos e sociais de longo prazo.

Trump deseja “sucesso” e “sorte” à administração de Biden no discurso de despedida da Casa Branca

Na hora da despedida, Donald Trump limitou-se a desejar que a nova administração seja bem-sucedida, embora não tenha mencionado uma única vez o nome do sucessor, Joe Biden. O 46.º presidente dos EUA toma posse esta quarta-feira.

EUA. Um muro, o país dividido e potencial terrorismo na capital

Grades metálicas, contraplacados de madeira, uniformes, veículos militares e armas nas mãos da Guarda Nacional multiplicam-se em Washington, que se protege contra potenciais ações terroristas na posse de Joe Biden como presidente dos EUA, na próxima quarta-feira.
Comentários