PremiumDepartamento anticorrupção vem “tardio” e com “improviso”

O vice-presidente da Frente Cívica disse ao Jornal Económico que a proposta de Moedas é “tardia”, “improvisada” e que “não se percebe exatamente o que é”.

O presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, anunciou esta semana que iria propor a criação de um departamento anticorrupção ainda este mês, na sequência de buscas da Polícia Judiciária à Câmara Municipal de Lisboa (CML). Ao Jornal Económico (JE), o vice-presidente da Frente Cívica, João Paulo Batalha, considera que o departamento vem “com atraso” e foi “improvisado”.

“Não se percebe exatamente o que é [o departamento anticorrupção], a vereação do combate à corrupção foi criada de imediato, o gabinete vir com um ano e qualquer coisa de atraso, sem ter sido anunciado antes é bizarro”, afirma João Paulo Batalha.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Nuno Melo diz que Fernando Medina “não tem condições políticas para permanecer em funções”

“O CDS reafirma que o ministro das Finanças não tem condições políticas para permanecer em funções e reitera a necessidade de dissolução do Parlamento, por estar evidentemente em causa o normal funcionamento das instituições democráticas”, diz o presidente do CDS-PP em comunicado.

Medina fala em condições da sua consciência para se manter como ministro

Fernando Medina assumiu esta posição numa declaração na biblioteca do Ministério das Finanças, em Lisboa, na sequência de notícias sobre a realização de buscas na Câmara Municipal de Lisboa, quando questionado sobre se considerada que reúne condições para se manter como ministro das Finanças.

Medina pede para ser ouvido no caso que motivou buscas na Câmara de Lisboa

O ministro das Finanças, Fernando Medina, disse hoje que pediu para ser ouvido no âmbito do processo que motivou na terça-feira a realização de buscas na Câmara de Lisboa, embora desconheça “em absoluto” a investigação em curso.
Recomendadas

PremiumSantander insta BdP a rever regra dos créditos da casa

À Euribor e spread, o regulador recomenda que se somem outros 3% à taxa final na análise da banca à solvabilidade dos clientes nos créditos a taxa variável. Para o Santander, esta regra deveria ser revista perante a subida dos juros.

PremiumMadeira deve escapar à recessão

O turismo e imobiliário devem sustentar projeção de subida do PIB de 1,3% em 2023. Mas existem alertas para a importância de diversificação da economia e de mercados turísticos. Um dos riscos é o aumento de taxas de juro.

Premium“Este pode ser ano chave para aprovar nova Lei das Finanças Regionais”

Rogério Gouveia considera que dificilmente se encontra um quadro legislativo tão estável para aprovar a nova Lei das Finanças Regionais, face à estabilidade governativa na Madeira e nos Açores e a maioria absoluta na República. Nova lei permitiria baixar carga fiscal, defende.
Comentários