Depois das redes de pesca, a Skizo quer transformar algas invasoras em têxtil

A startup portuguesa que dá uma nova vida ao plástico retirado dos oceanos está na Web Summit para atrair capital de risco de forma a desenvolver a área de inovação tecnológica, diz ao JE a CMO, Andreia Coutinho.

A portuguesa Skizo está na Web Summit para atrair capital de risco, que pretende direcionar para a unidade de inovação tecnológica, confirma a CMO Andreia Coutinho ao Jornal Económico (JE).

A startup, que se dedica à recolha e transformação de plásticos retirados do oceano em têxtil, surgiu em 2019, e até agora tem sido movida a capitais próprios, adianta ainda a responsável ao JE. “Só este ano é que comçeámos à procura de investimento externo – capital de risco, sim – até aqui tem sido só capital próprio”,  diz.

A expectativa é “aumentar a nossa parte de inovação tecnológica, porque já fazemos esta transformação com o plástico, com as redes de pesca”, continua Andreia Coutinho. “Neste momento, transf0rmamos plástico e redes de pesca também com a ajuda da Marinha Portuguesa”, além de pescadores, acrescenta.

Esta sinergia aproveita as visitas que a Marinha já faz para realizar vistorias em embarcações. “Eles recolhem as redes de pesca e não sabem que fim lhes haveriam de dar”, explica a responsável ao JE.

A recolha, a separação do plástico e do lixo, a transformação – “tudo é feito cá”, garante Coutinho, dizendo ainda que a startup entra agora numa nova aposta: “Estamos em fase de estudos para transrformar também algas invasoras em têxtil”, adianta.

A investigação tem sido feita até agora com as universidades. “São eles quem inicia esta fase de estudos e que têm, obviamente, o know-how. Nomeadamente, a Universidade do Minho”, sublinha.

Na Web Summit, que encerra esta sexta-feira, a Skizo esperava fechar algum investimento. Tal, ainda não aconteceu. “Mas temos tido muitas reuniões e contactos feitos, sentimos um feedback extraordinário dos investidores e partners”, garante Andreia Coutinho.

Atualmente, a startup produz sobretudo calçado através do plástico recolhido. Há também bolsas, malas e óculos de sol, mas o produto mais chamativo – e aquele que merece o destaque no stand da Web Summit é um saco que retém os microplásticos durante a lavagem da roupa. “É um dos grandes problemas do nosso oceano e, já, do nosso corpo”, alerta a responsável.

Recomendadas

Binter e Embrar fecham compra de cinco novas aeronaves por mais de 369 milhões de euros

As duas primeiras unidades estão previstas para chegar às Ilhas Canárias em novembro de 2023.

Manuel Champalimaud compra à Novares a área de injeção de plásticos para a indústria automóvel

A aquisição visa reforçar posição do Grupo Champalimaud no sector dos componentes de plástico decorativo e de interface para a indústria automóvel.

PremiumAmazon diz que “continua a fazer investimentos” de cloud em Portugal

A empresa norte-americana de computação na nuvem Amazon Web Services (AWCS)está a desenvolver um centro de dados no país, mas não se compromete com uma data de abertura.
Comentários