Depois de 6 dias a ganhar. PSI 20 abre no vermelho

O principal índice da praça portuguesa, o PSI 20 abriu hoje a cair 0,23% interrompendo um ciclo de seis sessões consecutivas de valorizações. Ao início da manhã oito empresas negociavam em alta, seis em queda, mantendo-se as restantes quatro inalteradas. Os principais pesos pesados caiam, contribuindo negativamente para o índice. Entre eles, destaque para o […]

O principal índice da praça portuguesa, o PSI 20 abriu hoje a cair 0,23% interrompendo um ciclo de seis sessões consecutivas de valorizações.

Ao início da manhã oito empresas negociavam em alta, seis em queda, mantendo-se as restantes quatro inalteradas.

Os principais pesos pesados caiam, contribuindo negativamente para o índice. Entre eles, destaque para o BCP, no setor bancário e a EDP no energético, que nos últimos dias registaram ganhos assinaláveis. As quedas eram ao início da manhã de 0,5%, e 1%, respetivamente.

Ainda na energia, mas do lado dos ganhos está a Galp, que, ontem, vendeu a Ventinveste à EDP Renováveis, com uma apreciação de 0,58% para 10,22 euros.

A petrolífera portuguesa acompanha a tendência de subida do petróleo: Em Londres, o Brent do Mar do Norte, utilizado como valor de referência em Portugal, abriu a subir 0,66% para 51,67 dólares por barril.

OJE

Recomendadas

Wall Street arranca semana em baixa

Assim, na abertura de Wall Street, o Dow Jones perde 0,62% para 34.217,92 pontos, o S&P 500 cede 0,69% para 34.217,92 pontos e o tecnológico Nasdaq recua 0,54% para 11.399,31 pontos. 

PSI cresce 2,5% em novembro e reforça valorização anual para 5,3%

O ranking mensal de aumento das cotações corresponde à Galp (14,7%), à Semapa (11,3%), ao BCP (5,7%), à EDP Renováveis (3,5%), à Greenvolt (3,2%), à EDP (2,1%), aos CTT (1,8%), à Mota-Engil (1,5%), à Jerónimo Martins (1%) e à Navigator (0,2%). 

Maxyield lembra que método contabilístico da Galp diminuiu a subida dos lucros numa altura de “windfall taxes”

O Clube dos Pequenos Acionistas entende que “os próximos relatórios de Governo Societário da Galp poderão produzir indícios sobre as razões da renúncia do CEO Andy Brown e papel do acionista Estado através da Parpública que detém 7,5% do capital, face às considerações públicas daquele sobre o impacto da windfall na companhia e na evolução do sector no país”.