Desaceleração mundial

Esta semana, o Banco Mundial cortou significativamente as previsões de crescimento para este ano, alertando-nos que o risco é de que a economia desiluda.

Assumindo que a pandemia ficará mesmo para trás, algo de que estou convicto, um dos principais desafios para 2022 é seguramente contraintuitivo.

Seria normal esperar que, ultrapassada a Covid-19, o planeta entrasse num período de aceleração económica. Esta semana, o Banco Mundial cortou significativamente as previsões de crescimento para este ano, alertando-nos que o risco é precisamente de que a economia desiluda.

Há cerca de seis meses, escrevia nestas páginas que a deriva regulatória chinesa poderia constituir uma ameaça forte ao crescimento. Há cada vez mais sinais nesse sentido, com o Banco Central local a posicionar-se em contraciclo com o resto do mundo, tendo cortado taxas de juro. As previsões são que a China cresça 5,1% este ano face aos 8% do ano passado.

O Banco Mundial prevê agora que o PIB mundial cresça 4,1% este ano, abaixo dos 4,3% projetados em junho e dos 5,5% do ano passado. Em 2023, o produto deverá crescer ainda menos (3,2%) e continuar abaixo dos níveis pré-pandémicos em termos gerais, com a situação a agravar-se nas economias emergentes e em desenvolvimento.

As manchetes destacam a nova variante da Covid-19 e os problemas logísticos como os principais fatores que justificam este pessimismo. Mas, no relatório, há outras causas mais interessantes, nomeadamente a perceção de que o fim da pandemia significará também o fim dos incentivos monetários e fiscais.

O Banco Mundial refere ainda o fardo da dívida com que muitos agentes económicos – e países – saem da pandemia e que reduzirá significativamente os seus graus de liberdade. Se as taxas de juro subirem, como já se vai notando, o serviço da dívida vai pesar, sobretudo em países de “moeda fraca”.

Outro aspeto interessante do relatório é mencionar o aumento da desigualdade de rendimentos e de taxas de vacinação, como indutores de desaceleração da economia global.

Recomendadas

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

Musk tinha um plano para o Twitter? Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.

PSI encerra no ‘vermelho’ em contra ciclo com a Europa

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.
Comentários