Desconfinamento? “Só quando o país chegar a um dado patamar” definido pelos técnicos, diz Rui Rio

O presidente do PSD, Rui Rio, defende que o dever de recolhimento domiciliário deve ser prolongado até se atingir um número de casos de Covid-19 gerível, apesar de a economia nacional “não aguentar” um confinamento geral longo.

Flickr/PSD

O Partido Social Democrata (PSD) afirmou esta quarta-feira que o desconfinamento do país só deve ser ponderado quando Portugal atingir “um dado patamar” definido pelos epidemiologistas. O presidente do PSD, Rui Rio, defende que o dever de recolhimento domiciliário deve ser prolongado até se atingir um número de casos de Covid-19 gerível, apesar de a economia nacional “não aguentar” um confinamento geral longo.

“A boa regra de gestão é esta: quando Portugal chegar a um dado patamar, desconfina. Pergunta-me: é quinze dias ou um mês. Não sei. Quando chegar aí desconfina. E o ‘aí’ deve ser definido por quem sabe”, disse Rio Rio, em conferência de imprensa, quando questionado sobre se concordava com o prolongamento do confinamento geral do território continental por mais tempo e até quando.

No final de uma audiência com o Presidente da República, por videoconferência, a propósito da renovação do estado de emergência até ao final do mês de fevereiro, o líder social-democrata defendeu a fixação de linhas ou metas para o desconfinamento. “Quando atingirmos um valor que se entender equilibrado e desconfinarmos, a seguir começamos a testar em massa para procurar não confinar outra vez. Cada vez que se apanhar um infetado, isola-se e quebramos a cadeia de contágio”, explicou.

Rui Rio admitiu que o confinamento geral, que vigora em Portugal desde 15 de janeiro, poderá prolongar-se, pelo menos, enquanto o patamar de casos não atingir os valores a definir em conjunto com os epidemiologistas. Defendeu  que a economia portuguesa “não aguenta” o impacto de um confinamento prolongado, devido à dívida pública e dívida externa que tem, mas sublinhou que a prioridade é “salvar vidas”.

Portugal continental entrou num novo confinamento geral no dia 15 de janeiro. Os portugueses estão sujeitos ao dever de recolhimento domiciliário e apenas estão previstas deslocações autorizadas num quadro muito limitado, para comprar bens e serviços essenciais ou desempenho de atividades profissionais. O ensino presencial foi inicialmente permitido, mas depois o Governo corrigiu a decisão e mandou encerrar as escolas de todos os graus de ensino face ao continuado agravamento da situação epidemiológica do país.

Relacionadas

PSD diz que renovação do estado de emergência é “indiscutível” e apela à “testagem massiva”

O líder social-democrata, Rui Rio, defende que o prolongamento do estado de emergência é “indiscutível” dada a situação epidemiológica atual e sugere ao Governo que avance com a “testagem massiva” da população e a definição de metas estratégicas e “equilibradas” para o desconfinamento.
Recomendadas

Pfizer regista um lucro anual em 2022 de 31,4 mil milhões de dólares

A farmacêutica registou aumentos nos lucros e nas receitas, mas espera que em 2023 haja uma quebra da faturação, devido à diminuição nas vendas de vacinas e medicamentos contra a Covid-19.

Reabertura “caótica” da China “difícil de digerir” para residentes em Shenzhen

O súbito fim da política de ‘zero casos’, sem anúncio antecipado ou preparação do sistema de saúde, deixou famílias a lutar pela sobrevivência dos membros mais idosos, à medida que uma vaga de infeções inundou os hospitais e crematórios do país.

Tribunal de Contas “atento” ao processo da Jornada Mundial da Juventude

O presidente do TdC precisou ser necessário deixar que o processo corra, acentuando que o Tribunal de Contas (TdC) “está atento [à JMJ] como está atento a outros processos que estão a correr” na sociedade.
Comentários