Descubra o que reserva a 6ª edição do Mastercard Innovation Forum em Portugal

A 6ª edição do Mastercard Innovation Forum em Portugal está prestes a arrancar com convidados nacionais e estrangeiros para debater as últimas tendências e os mais recentes desenvolvimentos tecnológicos.

Maria Antónia Saldanha, Country Manager da Mastercard Portugal

1 – Esta é já a 6ª edição de mais um Mastercard Innovation Forum em Portugal, o evento anual da Mastercard dedicado ao futuro, inovação e tecnologia. O que podemos esperar desta edição?

R: Em primeiro lugar, a oportunidade de estarmos reunidos num mesmo espaço, presencialmente. A conjuntura impediu a realização de eventos presenciais e, por isso, estamos muito satisfeitos por estarmos novamente juntos. E juntos para falar de inovação, tecnologia e futuro. Esse tem sido o mote do Mastercard Innovation Forum. É o momento do ano em que temos a oportunidade de analisar, em conjunto com os nossos convidados, nacionais e estrangeiros, as últimas tendências e os mais recentes desenvolvimentos tecnológicos. É, também, o momento de apresentação e partilha das soluções mais avançadas e mais inovadoras que a Mastercard tem desenvolvido nos seus diferentes verticais. É, em suma, um dia chave para apoiarmos a nossa indústria a enfrentar o futuro com o impulso certo.

2 – Porque escolheram como tema deste ano Together Towards Tomorrow?

R: A experiência porque todos passámos nos últimos tempos, mostra-nos quão importante é enfrentarmos juntos as adversidades para podermos conquistar um futuro melhor. E os desafios continuam, mas as oportunidades também. Ou seja, o tema Together Towards Tomorrow reflete o DNA da Mastercard, que se baseia na constante inovação, na co-criação com a nossa rede de parceiros e clientes, sempre com uma preocupação permanente com tudo o que nos rodeia, focados na sustentabilidade das soluções e do planeta. Na prática, só podemos construir o futuro, se o fizermos em conjunto, com as tecnologias certas, inclusivas, que promovam a equidade e respeitem as diversidades e a biodiversidade.

3 – Um dos painéis do Programa é dedicado às cidades sustentáveis do futuro. Porque decidiram dar destaque a este tema?

R: O nosso futuro coletivo depende da saúde das nossas cidades, porque são o centro do desenvolvimento e onde tudo acontece. Está provado que as cidades continuam a ser as impulsionadoras do crescimento económico e da inovação;  continuam a ser verdadeiros imanes para as pessoas que procuram uma vida melhor. Com este crescimento vêm grandes desafios, como a mobilidade ou o turismo, aos quais é preciso dar uma resposta coletiva, através das parcerias certas entre os poderes públicos e privados e a academia. E o que queremos no Mastercard Innovation Forum é destacar aquilo que temos feito neste domínio e apresentar, também, algumas soluções concretas nas quais temos tido o privilégio de participar e que também envolvem tecnologia e inovação portuguesa, nomeadamente ao nível da mobilidade urbana. Por outro lado, queremos destacar aspetos relevantes do programa City Possible da Mastercard, uma rede colaborativa que integra mais de 300 cidades em todo o mundo – incluindo Nova Iorque, Los Angeles, Londres, Praga ou o Dubai -, e que reúne centenas de especialistas, universidades e organizações do setor público e privado com o objetivo de apoiar o desenvolvimento das cidades para serem mais inclusivas, sustentáveis e eficientes.

4 – A inclusão como forma de impulsionar o futuro da inovação é também um dos temas em destaque no programa. De que forma este é um tema importante para a Mastercard?

R: A Mastercard tem o objetivo de trazer mil milhões de pessoas em todo o mundo para a economia digital até 2025 e assegurar que todos tenham a possibilidade de ter sucesso na economia digital. Em 2021, este programa já alcançou mais de 675 milhões pessoas. É um programa que se baseia em três pilares concretos: Pessoas, Planeta e Prosperidade. E isto alcança-se de diferentes maneiras. É disso que queremos falar no Mastercard Innovation Forum. Queremos falar dos nossos próprios exemplos e, com isso, queremos mobilizar os nossos convidados a juntarem-se a nós neste movimento que tem de ser de todos. Porque o nosso planeta é Priceless.

5 – A edição deste ano conta, pela primeira vez, com a realização de sessões paralelas. Que temas serão abordados nestas sessões e a quem se dirigem?

R: Sim, as sessões paralelas são uma componente nova que juntámos à edição deste ano do Mastercard innovation Forum, porque vimos que era importante ir mais a fundo na apresentação de casos práticos e na partilha da experiência que temos tido noutras geografias. A sessão da manhã será, sobretudo, para promover a reflexão e mobilizar as pessoas para enfrentarmos juntos os desafios de futuro. As sessões paralelas pretendem dar algumas ferramentas para as pessoas poderem concretizar o seu esforço, e o das suas empresas, neste movimento coletivo que é necessário dinamizar para construirmos um futuro melhor e mais seguro. Foi por isso que escolhemos três tópicos que nos parecem fundamentais: O que podemos fazer para apoiar as PME a maximizarem o seu potencial; O Open Banking como alavanca para o Open Finance, num mundo financeiro cada vez mais integrado; E, por fim, um tema cada vez mais crítico, que é a cibersegurança e como é possível impulsionar a resiliência operacional e proteger o ecossistema digital com a Mastercard. Cada uma destas sessões paralelas será apresentada por especialistas europeus da Mastercard que se juntam aos convidados nacionais para este dia em conjunto.

6 – Vão ter, como é hábito, uma área de demonstrações das mais recentes soluções tecnológicas na área dos pagamentos, mas não só. Vão apresentar novidades?

R: É nosso propósito aproveitar o Mastercard Innovation Forum para  mostrar como é que a nossa tecnologia está a mudar a forma como as pessoas, as empresas e os governos podem interagir entre si. É onde demonstramos muitas das soluções de futuro, já disponíveis e que podem ser implementadas. São soluções que vão desde a cibersegurança a soluções para as cidades e o turismo. É uma área que merece visita obrigatória, sem dúvida.

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a Mastercard.

Recomendadas

Mark Bourke prevê subir o rácio de capital do Novobanco em cerca de 1% só com os lucros deste ano

“O nosso plano é o Novobanco ser independente e competitivo”, disse o CEO. Sobre se a Lone Star estava a negociar já com potenciais compradores numa venda futura do Novobanco, Mark Bourke respondeu “absolutamente que não”.

EDP emite 500 milhões de dólares de ‘green bonds’ a 5 anos

Esta emissão destina-se ao financiamento (ou refinanciamento) do portfólio de projetos renováveis elegíveis da EDP, anuncia a empresa.

Metro de Lisboa tem um novo Provedor do Cliente e é o ex-ministro Vieira da Silva (com áudio)

Vieira da Silva foi eleito Provedor do Cliente do Metro de Lisboa, mas é “um contrato de prestação de serviço não remunerado”. O mandato é de um ano, renovável sucessivamente por iguais períodos.
Comentários