Desemprego baixa para 13,6% em 2015, prevê Bruxelas

A Comissão Europeia estima que a taxa de desemprego no próximo ano desça para os 13,6%, uma estimativa que fica ligeiramente acima do inscrito pelo Governo na proposta de Orçamento do Estado para 2015. De acordo com as previsões de outono divulgadas hoje, a Comissão Europeia estima que a taxa de desemprego fique 0,2 pontos […]

A Comissão Europeia estima que a taxa de desemprego no próximo ano desça para os 13,6%, uma estimativa que fica ligeiramente acima do inscrito pelo Governo na proposta de Orçamento do Estado para 2015.

De acordo com as previsões de outono divulgadas hoje, a Comissão Europeia estima que a taxa de desemprego fique 0,2 pontos percentuais acima dos 13,4% previstos pelo Executivo liderado por Pedro Passos Coelho.

Perante as suas anteriores estimativas, divulgadas em maio, Bruxelas antecipava uma taxa de desemprego de 14,8% em 2015, acima do conhecido hoje.

A Comissão estima que o desemprego fique nos 14,5% em 2014, também acima do previsto pelo Governo na proposta orçamental (14,2%). Já para 2016, Bruxelas antevê uma queda do desemprego para os 12,8%.

“Os ganhos recentes no emprego parecem estar relacionados com o sucesso de políticas ativas do mercado de trabalho e, assim, uma dinâmica no mercado de trabalho que foi exagerada”, justifica a Comissão no documento hoje divulgado.

“Assim, estima-se que o emprego total aumente 1,6% em 2014 e 0,8% em 2015 e 2016. Combinado com a projeção de uma descida média anual da força de trabalho de 0,4%, a taxa de desemprego deverá descer de 14,5% em 2015 para 12,8% em 2016”, afirma Bruxelas.

OJE/Lusa

Recomendadas

Médicos dão prazo de duas semanas para Ministério da Saúde marcar reunião

“Já fizemos seguir o pedido de reunião ao senhor ministro [da Saúde, Manuel Pizarro] e solicitámos que essa reunião se desenvolva com a celeridade que deve e estabelecemos um limite para nas próximas duas semanas sermos convocados para essa reunião”, adiantou Noel Carrilho.

Número de trabalhadores em layoff clássico cai 6% em agosto

Os empregadores recorreram menos ao layoff clássico em agosto do que no mês anterior. Caiu 6% o número de trabalhadores abrangidos.

Teixeira dos Santos defende que aumentar pensões e Função Pública não alimentaria inflação

Em entrevista ao Público, o ex-ministro das Finanças Fernando Teixeira dos Santos não só não acredita que aumentar as pensões e os salários da Função Pública alimentaria a espiral inflacionista, como atira que o Governo tem de esclarecer melhor o argumento utilizado pelo Governo para limitar as atualizações regulares a que os pensionistas teriam direito.