Desemprego: há 37 cursos com zero inscritos nos centros de emprego

Cursos da área da saúde e de engenharia registam os melhores desempenhos no ano letivo 2020/21. No total, o desemprego diminuiu entre os recém-licenciados no ano passado, segundo dados do portal Infocursos que podem ser consultados pelos candidatos ao ensino superior. As candidaturas arrancam já esta segunda-feira.

No ano letivo passado houve 37 cursos sem nenhum aluno recém-licenciado inscrito no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP). Estes e muitos outros dados sobre todos os cursos técnicos superiores profissionais (CTeSP), licenciaturas, mestrados integrados e mestrados 2.º ciclo do país podem ser consultados pelos candidatos no Infocursos. O portal tem como objetivo ajudar com informação útil os candidatos que já a partir de segunda-feira vão apresentar a candidatura ao ensino superior público.

Segundo os mesmos dados, o desemprego diminuiu  de 5% para 4% no número de recém-diplomados com licenciatura ou mestrado integrado que se encontravam inscritos IEFP no ano lectivo  2020/21.

Na lista de cursos com o chamado desemprego zero predomina a área da saúde com 12 cursos, dos quais metade são de Enfermagem. A saber:

Enfermagem na Escola Superior de Saúde Egas Moniz;
Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa – Lisboa;
Escola Superior de Saúde – IP Setúbal;
Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias – IP Castelo Branco;
Escola Superior de Saúde – IP Beja; Escola Superior de Enfermagem de São João de Deus – U. Évora.

Na área da saúde juntam-se:
Terapia da Fala, na Escola Superior de Saúde do Alcoitão;
Ortóptica e Ciências da Visão na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa – IP Lisboa;
Medicina, no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar – UP;
Medicina na Universidade da Beira Interior;
Bioquímica na Faculdade de Ciências e Tecnologia – Universidade de Coimbra
Farmácia Escola Superior de Saúde – Universidade do Algarve.

Na lista dos cursos sem inscritos no IEFP há a assinalar um vasto leque de engenharias e outras formações em tecnologia:
Engenharia Informática na Escola Superior de Ciência e Tecnologia – ISP Gaya;
Engenharia de Protecção Civil no ISEC Lisboa – Instituto Superior de Educação e Ciências;
Engenharia Electrotécnica e de Computadores na Escola Superior de Tecnologia de Tomar – IP Tomar;
Tecnologia e Gestão Industrial (regime nocturno) na Escola Superior de Tecnologia de Setúbal – IP Setúbal;
Informática na Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém – IP Santarém;
Segurança Informática em Redes de Computadores na Escola Superior de Tecnologia e Gestão – IP Porto;
Engenharia Informática na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital – IP Coimbra;
Engenharia Electrotécnica e de Computadores na Escola Superior de Tecnologia – IP do Cávado e Ave;
Engenharia Informática e de Computadores na Instituto Superior Técnico (Taguspark) – UL;
Engenharia Naval e Oceânica, Instituto Superior Técnico – UL;
Matemática Aplicada e Computação, no Técnico;
Arquitectura, também no Técnico;
Engenharia Geoespacial na Faculdade de Ciências – UL;
Física na Faculdade de Ciências – Universidade do Porto;
Química na Faculdade de Ciências e Tecnologia – Universidade de Coimbra.

Sem inscritos no IEFP estão igualmente:
Educação Básica, na ISCE – Instituto Superior de Lisboa e Vale do Tejo;
Educação Básica na Escola Superior de Educação de João de Deus;
Música, variante de Jazz (regime pós-laboral) na Escola Superior de Música – IP Lisboa;
Arquitectura  na Universidade Lusíada – Norte (campus de Vila Nova de Famalicão);
Psicologia na Faculdade de Ciências Humanas – Universidade Católica;
Dança na Faculdade de Motricidade Humana – UL;
Música na Universidade do Minho;
Economia na Universidade Lusíada – Lisboa.

À lista acrescem ainda:
Biotecnologia na Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar de Peniche – IP Leiria;
Biologia na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

A data de referência das estatísticas apresentadas é o ano letivo 2020/21, mas os dados permitem perceber a evolução desde 2015, que revela que no ano passado se registou “uma grande estabilidade no sistema de ensino superior”, apesar da pandemia.

Recomendadas

Seis universidades portuguesas entre as mil melhores do mundo. EUA no topo

A Universidade de Lisboa e Universidade do Porto surgem entre as 201.ª e 300.ª melhores do mundo.

ISG (re)lança mestrado em Gestão de Empresas já em setembro

Miguel Varela, presidente do ISG, diz ao JE que o mestrado em gestão de empresas é um curso fundamental na estratégia de oferta formativa da Escola de gestão. Curso decorre em horário pós-laboral.

Instituto Gulbenkian de Ciência tem duas bolsas de mestrado e um prémio de pós-doutoramento

Apresentação de candidaturas para o António Coutinho Science Awards decorre até 4 de outubro. Iniciativa junta Instituto Gulbenkian de Ciência, Município de Oeiras e empresa Merck.
Comentários