Desemprego na zona euro estável em abril nos 6,8%

O indicador não se alterou em abril para a zona euro e para a UE, embora o desemprego jovem e entre as mulheres tenha recuado ligeiramente.

O desemprego na zona euro manteve o mesmo valor em abril que no mês anterior, ou seja, 6,8%, tal como o indicador para a UE, que registou 6,2%, segundo os dados divulgados esta quarta-feira pelo Eurostat.

Estas percentagem refletem uma população desempregada de 11,181 milhões de pessoas na zona euro e 13,264 milhões na UE, detalha a nota. Isto significa que, comparando com igual período do ano passado, há agora menos 2,175 milhões de pessoas sem trabalho no bloco da moeda única e 2,543 milhões na UE.

A nota detalha ainda que o desemprego jovem recuou ligeiramente no período em análise, caindo de 14% para 13,9% em ambas as geografias. Por outro lado, as mulheres também verificaram um ligeiro decréscimo no desemprego, passando de 6,6% em março para 6,5% em abril na UE; já na zona euro, este subindicador manteve-se invariável nos 7,2%.

A estimativa do Eurostat aponta para 5,8% de desemprego em Portugal em abril, o que fica abaixo da média europeia. Os países com valores mais baixos para este indicador foram a República Checa, com 2,4%, seguida de Polónia e Malta, com 3,0% e 3,1%, respetivamente. No outro extremo do ranking, França regista 13,3%, seguindo-se Grécia, com 12,7%, e Itália, com 8,4%.

Recomendadas

“Não me choca que haja ajustamentos salariais que acompanhem a inflação”, diz Teixeira dos Santos

Na atual conjuntura, Teixeira dos Santos diz o Estado não pode corrigir o comportamento dos mercados. Sobre os salários, diz que não vê perigo em eventuais ajustamentos em linha com a inflação.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

NATO. Stoltenberg responsabiliza Putin pela crise alimentar global

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, responsabilizou esta quinta-feira a Rússia pela crise alimentar global por ter invadido a Ucrânia e assegurou o empenho dos aliados em encontrar soluções para retomar a exportação de cereais ucranianos.
Comentários