Desemprego no Reino Unido atinge menor taxa dos últimos 48 anos

Dados oficiais da autoridade estatística britânica (ONS) indicam que a taxa de desemprego caiu para 3,6%.

Toby Melville/Reuters

A taxa de desemprego do Reino Unido caiu para o nível mais baixo desde 1974 nos últimos três meses até julho, aponta a “BBC”, que cita dados oficiais da autoridade estatística britânica (Office for National Statistics – ONS).

O ONS avança que a taxa de desemprego caiu para 3,6%. Uma das razões para a queda da taxa de desemprego é o aumento do número de pessoas que já não estão a a procurar trabalho e, como tal, não entram para a contagem. O número de vagas de emprego foi o que mais caiu em dois anos, 34 mil entre junho e agosto, embora o número total de vagas ainda permaneça historicamente alto.

“O boom de procura de empregos que realmente começou seis meses após a pandemia provavelmente está a chegar ao fim agora”, disse James Reed, presidente da empresa de recrutamento Reed.

Tony Wilson, diretor do Instituto de Estudos do Emprego, também alerta para a escassez de mão de obra que está a prejudicar a economia. “Ainda há mais de meio milhão de pessoas desempregadas do que antes do início da pandemia e as empresas simplesmente não conseguem encontrar trabalhadores para preencher”, assegurou.

No entanto, apesar de a taxa de desemprego ter caído, o aperto nos salários continua, com os aumentos nos salários regulares a não conseguir acompanhar o aumento do custo de vida. Se tivermos em conta o aumento dos preços, o valor da remuneração regular caiu 2,8%.

O crescimento médio da remuneração regular para o sector privado foi de 6% de maio a julho, em comparação com 2% para o sector público. Segundo o ONS, essa é a maior diferença de sempre entre o sector privado e o público, fora do auge do período de pandemia.

A inflação permanece em 10,1%, um dos valores mais altos dos últimos 40 anos. Prevê-se que os dados mais recentes da inflação, que devem ser divulgados na quarta-feira, sejam mais altos.

 

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários