Desemprego nos EUA em mínimos dos últimos 9 anos

As empresas norte-americanas aumentaram as contratações em novembro e a taxa de desemprego caiu para um mínimo de mais de nove anos nos 4,6%.

 

Os EUA criaram 178 mil postos de trabalho fora do sector agrícola no mês passado, tendo a taxa de desemprego descido 0,3 pontos percentuais para 4,6%, o que representa o nível mais baixo em nove anos, informou o Departamento do Trabalho norte-americano esta sexta-feira.

A queda de 0,3 pontos percentuais da taxa de desemprego no mês passado, para o nível mais baixo desde agosto de 2007, resulta de mais pessoas a encontrar trabalho, bem como do número de pessoas que deixaram a força de trabalho.

Os economistas esperavam que a criação de postos de trabalho fosse de 175 mil e que a taxa de desemprego permanecesse em 4,9%.

O relatório segue a sequência de dados no PIB, no consumo, inflação, habitação e indústria, a mostrarem que a economia tem crescido a um ritmo acelerado, e confirma também que a Reserva Federal tem caminho aberto para aumentar as taxas de juro já em dezembro.

Um indicador menos positivo foi o retrocesso no crescimento dos salários após dois meses seguidos a subir. O salário médio caiu 0,1%, depois de avançar 0,4% em outubro.

 

Recomendadas

Custo de cabaz alimentar de bens básicos aumentou 21% para adultos num ano, diz BdP

O banco central revela que entre outubro de 2021 e outubro de 2022, o custo mensal médio e mediano de um cabaz básico de consumo alimentar para um adulto com cerca de 40 anos aumentou 21% e 24%, respetivamente.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

PremiumMenores retenções de IRS não chegam a todos em janeiro

Novas tabelas de IRS não dão aumento do rendimento disponível a todos os contribuintes a partir de janeiro. Solteiros e casados com dois filhos são os mais penalizados. Com novas regras, ganhos serão superiores a partir de julho.
Comentários