Despedimento coletivo de 6 trabalhadores na Parvalorem

A Comissão de Trabalhadores (CT) da Parvalorem, veículo estatal que gere os ativos problemáticos do BPN, denunciou hoje o despedimento coletivo de seis trabalhadores, um ato que considerou “assente em reiteradas ilegalidades”. “Este despedimento é justificado pela administração como decorrente do encerramento de estabelecimentos, sendo que nestes casos o acordo coletivo aplicável diz claramente que […]

A Comissão de Trabalhadores (CT) da Parvalorem, veículo estatal que gere os ativos problemáticos do BPN, denunciou hoje o despedimento coletivo de seis trabalhadores, um ato que considerou “assente em reiteradas ilegalidades”.

“Este despedimento é justificado pela administração como decorrente do encerramento de estabelecimentos, sendo que nestes casos o acordo coletivo aplicável diz claramente que os trabalhadores devem ser integrados noutros estabelecimentos da empresa”, diz a CT da empresa em comunicado, revelando que os seis trabalhadores despedidos pertencem aos estabelecimentos de Leiria e Coimbra.

Os trabalhadores lembram a carta enviada no verão de 2013 pelo Provedor de Justiça ao primeiro-ministro, na qual o então provedor, Alfredo de Sousa, questionava a legalidade da transferência de parte dos funcionários do BPN para a Parvalorem e pedia a Pedro Passos Coelho para se pronunciar.

Nesse documento, o provedor recordava que, com a nacionalização do BPN, os trabalhadores mantiveram integralmente os seus direitos e acrescentava que um dos passos do processo de restruturação do BPN passou pelo trespasse de uma série de atividades do BPN e dos trabalhadores a elas ligados para a Parvalorem.

Mais recentemente, em setembro, o Bloco de Esquerda anunciou que iria questionar o Governo sobre a situação dos trabalhadores da Parvalorem e insistiu na Assembleia da República numa proposta com o intuito de salvaguardar 200 postos de trabalho de antigos funcionários do BPN.

OJE/Lusa

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.