Desperdício de alimentos. Governo cria site com ofertas e necessidades

O plano para combater o desperdício está atrasado e deve ser fechado até ao final do primeiro trimestre do próximo ano.

O Governo adiou o prazo para a apresentação do plano nacional de combate ao desperdício alimentar proposto pelo Executivo em outubro. A iniciativa será lançada até março e está prevista a criação de uma página online que permita o encontro entre a oferta e a procura de excedentes alimentares.

Em declarações à TSF, fonte do gabinete do secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, admite que há atrasos no plano nacional de combate ao desperdício alimentar. “Os últimos tempos têm sido de muito trabalho, nomeadamente na área da reforma da floresta, pelo que o tema do desperdício alimentar sofreu algum atraso”, afirma.

O plano de combate ao desperdício, que deveria ser apresentado até ao final do ano, deve agora se fechado até ao final do primeiro trimestre do próximo ano.

O ministério adianta que uma das medidas previstas, vai passar pela criação de um site que reúna todas as ofertas de empresas e necessidades das instituições sociais, de forma a encontrar um equilíbrio entre quem tem bens alimentares a mais e quem precisa.

Recomendadas

Transição climática é prioridade para grandes empresas

Sonae, CTT, NOS e Altri têm estratégias consolidadas no combate às alterações climáticas e querem com as suas práticas influenciar toda a cadeia de valor. O JE foi conhecer as metas traçadas e as medidas para as atingir.

Cenário económico não anula metas de descarbonização

O cenário de uma possível recessão, associada à já frágil conjuntura macroeconómica, não assusta o sector, que diz estar “bem mais preparado” do que em 2008. As fragilidades herdades da pandemia persistem, mas importa não perder o foco das metas estabelecidas.

PremiumMudar o sector alimentar para atingir metas de carbono zero

Mesmo que todas as emissões nocivas fossem imediatamente interrompidas, as emissões do sistema alimentar global seriam suficientes para elevar o limite de subida da temperatura global em 1,5°C graus.
Comentários