Despesa sobe 124 milhões de euros na Madeira

A subida na aquisição de bens e serviços e os encargos com os juros justificam parte da subida na despesa do executivo madeirense.

A Madeira registou uma subida de 124 milhões de euros na despesa efetiva, até novembro, de acordo com os dados da Direcção Regional do Orçamento e Tesouro. A aquisição de bens e serviços e os encargos com juros ajudaram a desequilibrar a balança.

Até novembro a despesa efectiva do Governo da Madeira chegou aos 1252 milhões de euros, o que contrasta com os 1128 milhões de euros do ano anterior.

Para este aumento na despesa deu o contributo o aumento de 167 para 191 milhões de euros na ‘aquisição de bens e serviços’ e ainda na subida de 183 para os 221 milhões de euros no encargos com ‘juros e outros encargos’.

As transferências correntes tiveram também uma subida de 361 para 380 milhões de euros.

Até novembro as receitas totais recebidas pelo Governo Regional chegaram aos 1138 milhões de euros enquanto que as despesas ficou nos 1252 milhões de euros, gerando um saldo negativo de 114 milhões de euros.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/oe2019-municipios/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”895″ slug=”oe2019-municipios” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/oe2019-municipios/thumbnail?version=1545246555553&locale=pt-PT&publisher=www.jornaleconomico.pt” mce-placeholder=”1″]

Recomendadas

Hoje é celebrado o Dia Internacional da Consciencialização sobre Perdas e Desperdício Alimentar

Na Europa, todos os anos, cerca de 89 milhões de toneladas de alimentos são deitados ao lixo. Em Portugal, estima-se que cada português desperdice cerca de 134 kg de alimentos por ano. Enquanto isto 1/6 da população mundial passa fome.

Madeira: Serviço Regional de Saúde visita Unidade de Ação Social do Hospital Garcia da Orta

A Unidade de Ação Social do SESARAM observou e conheceu a dinâmica e a metodologia de trabalho implementada na UHD do hospital e, em particular, a área de intervenção social.

Madeira: Acordos de gestão entre a Segurança Social e as IPSS vão passar para 20 anos

Neste sentido, com a presente alteração pretende-se adequar a duração dos acordos de gestão que envolvam a cedência de utilização do edificado em regime de comodato, onde sejam desenvolvidas respostas sociais, numa lógica de melhor aproveitamento dos recursos disponíveis.
Comentários