Detenção do antigo presidente da Nissan prolongada por mais 10 dias

O Tribunal Distrital de Tóquio informou que decidiu aceitar o pedido dos procurados do Ministério Público, para a detenção ser prolongada até 11 de janeiro, de maneira a encontrarem mais provas para uma nova acusação.

Carlos Ghosn

A detenção do antigo presidente da Nissan, Carlos Ghosn, foi prolongada por mais 10 dias, decidiu o tribunal japonês.

O Tribunal Distrital de Tóquio informou ter aceitado o pedido dos procuradores do Ministério Público para manter até 11 de janeiro, de forma a encontrarem mais provas para uma nova acusação.

Os promotores consideram que precisam de mais tempo para decidirem se vão acusar, ou não, Carlos Ghosn, de uma suposta violação de confiança agravada que terá resultado em perdas de 1,85 mil milhões de ienes (14,5 milhões de euros) em 2008 à Nissan.

Ghosn juntamente com outro executivo, Greg Kelly, foi detido a 19 de Novembro.

As duas acusações anteriores apontavam para a tentativa de Ghosn em esconder rendimentos das autoridades que negociou com a Nissan Motor a partir de 2011 e que, segundo a imprensa local, esperava receber assim que deixasse as suas funções à frente da empresa japonesa.

Recomendadas

Portugueses desperdiçam um milhão de toneladas de alimentos por ano

Os portugueses desperdiçam anualmente um milhão de toneladas de alimentos, o que equivale a quase 100 quilos por pessoa, alerta o Movimento Unidos contra o Desperdício, a propósito do desperdício alimentar.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Alterações climáticas. Terra aproxima-se do ‘ponto sem retorno’, diz primatologista Jane Goodall

“Sabemos o que devemos fazer. Quero dizer, temos as ferramentas. Mas deparamo-nos com o pensamento de curto prazo de ganho económico versus a proteção de longo prazo do meio ambiente para assegurar um futuro”, indicou a cientista que ficou conhecida pelo seu estudo pioneiro de seis décadas sobre chimpanzés na Tanzânia.
Comentários