“Detesto investimento chinês porque não traz coisíssima nenhuma”

O empresário Alexandre Soares dos Santos afirma detestar investimento chinês, considerando que “não traz coisíssima nenhuma” ao país. “Detesto investimento chinês, porque não traz coisíssima nenhuma, nem know how [conhecimento] nem sequer management [gestão]”, afirmou o antigo presidente da Jerónimo Martins. Alexandre Soares dos Santos falava durante a sua intervenção na conferência “Portugal em Exame”, […]

O empresário Alexandre Soares dos Santos afirma detestar investimento chinês, considerando que “não traz coisíssima nenhuma” ao país.

“Detesto investimento chinês, porque não traz coisíssima nenhuma, nem know how [conhecimento] nem sequer management [gestão]”, afirmou o antigo presidente da Jerónimo Martins.

Alexandre Soares dos Santos falava durante a sua intervenção na conferência “Portugal em Exame”, com o tema “Três gerações, três visões sobre o país”, organizada pela revista Exame em parceria com o Banco Popular. No final do debate, o empresário escusou-se a falar, argumentando que estava atrasado para um evento em Aveiro.

Durante a sua intervenção, ao lado de Rui Nabeiro e Teodora Cardoso, Alexandre Soares dos Santos defendeu que “o Presidente da República tem por obrigação convocar os partidos políticos para definir um plano a 10 ou 15 anos” para o país.

“Nós andamos permanentemente a mudar, sem saber para onde queremos ir”, argumentou, considerando urgente “um acordo político”.

A economista Teodora Cardoso defendeu que a constituição é omissa em relação ao Orçamento do Estado, considerando que “não ajuda” definir “apenas as despesas que têm fundamento constitucional”.

“Devia-se pensar muito seriamente o enquadramento orçamental na Constituição”, acrescentou.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.