Detidas 14 pessoas em mais de 100 buscas no país por suspeitas de fraude e branqueamento

A Polícia Judiciária deteve hoje 14 pessoas pela alegada prática dos crimes de associação criminosa, fraude fiscal e branqueamento, na sequência de cerca de 100 buscas domiciliárias e não domiciliárias de norte a sul do país, anunciou aquela polícia.

Em causa estarão transações fraudulentas superiores a 2,2 mil milhões de euros, adiantou a PJ, em comunicado.

No decurso desta operação policial, que se enquadra no âmbito de uma operação de “grande amplitude” com realização de diligências de recolha de prova na Alemanha, França, Itália, Espanha, Bélgica, Países Baixos, Luxemburgo, República Checa, Hungria, Grécia, Roménia, Eslováquia, Grécia, Áustria, Lituânia e Chipre, foram apreendidos carros, bens de luxo, material informático, documentação e dinheiro, adiantou.

“Procedeu-se ainda ao arresto judicial de cerca de 50 viaturas, 47 propriedades e cerca de 600 contas bancárias nacionais”, referiu esta força policial.

Recomendadas

Processo que envolve direção do Benfica em segredo de justiça

Os advogados do Benfica referiram hoje que o processo em que a SAD e membros do Conselho de Administração do mandato 2016-2020 foram constituídos arguidos está em “segredo de justiça” e que a divulgação “pode constituir ilícito criminal”.

Fenprof vai fazer queixa ao Ministério Público por alegado abuso de serviços mínimos

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) anunciou hoje que vai apresentar queixa no Ministério Público contra diretores escolares que “estão a querer impor serviços mínimos a reuniões sindicais”.
Marina Gonçalves

Pai de ministra da Habitação fez-se passar por advogado

Manuel Falcão foi condenado a oito meses de prisão pelo crime de usurpação de funções, sendo que a pena lhe foi suspensa por dois anos. Ex-bastonário acusa-o de continuar a usurpar funções, mas o Ministério Público arquivou a segunda denúncia.
Comentários