“Deve o presidente recandidatar-se em 2024?”. Campanha de Trump questiona apoiantes via email

No mesmo email, a equipa de Trump pede uma doação dos seus eleitores ao seu fundo de defesa eleitoral. Desde a derrota a 3 de novembro, a campanha do presidente já enviou 500 emails e 170 mensagens de telemóvel que resultaram, até ao momento, em mais de 270 milhões de euros em doações.

Após o Colégio Eleitoral dos EUA ter ratificado a vitória de Joe Biden nas presidenciais norte-americanas, a campanha eleitoral de Donald Trump já perspetiva uma futura candidatura e, nesse sentido, enviou um email aos seus apoiantes com a seguinte questão: “Deve o presidente Trump recandidatar-se em 2024?”.

De acordo com a notícia avançada pela “CNN”, esta quarta-feira, este foi um dos sete emails enviados pela equipa da campanha presidencial aos seus eleitores esta terça-feira — “Uma luta contra o caos”, “Eu não admito NADA” e “Isto é alarmante” também chegaram esta terça-feira à caixa de correio eletrónico dos subscritores da newsletter da campanha de Trump.

“Vamos deixar uma coisa clara: a esquerda radical ROUBOU esta eleição ao Presidente Trump”, lê-se na missiva, que inclui mais à frente uma sondagem não oficial e um pedido de doações ao seu fundo de defesa eleitoral, dinheiro este que deverá ser usado para continuar as disputas em tribunais dos resultados eleitorais.

Desde o dia das eleições, a campanha de Trump já enviou cerca de 500 emails e 170 mensagens de telemóvel a pedir doações aos seus apoiantes e a alimentar teorias da conspiração contra os resultados que considera terem sido “fraudulentos”. Esta comunicação tem dado frutos: depois da derrota eleitoral, Trump e o partido já angariaram 207 milhões de dólares para tentar voltar à Casa Branca.

“O seu presidente NUNCA vai parar de lutar por si e pela sua família. Irá fazer o que for preciso para garantir que a América é colocada em primeiro lugar. Ele pode sempre contar com os conselhos do povo americano, e por isso pediu-nos para entrar em contacto consigo com UMA pergunta muito importante”, cita o canal noticioso o email em questão.

O email chega um dia depois do Colégio Eleitoral ter formalizado a nomeação de Joe Biden para novo chefe da Casa Branca com 306 votos, mais do que os 270 votos necessários para garantir a sua vitória. No mesmo dia, o líder dos republicanos tirou tapete a Trump e reconheceu vitória do candidato democrata.

“Muitos de nós esperávamos que a eleição presidencial produzisse um resultado diferente. Mas o nosso sistema político tem os seus processos para determinar quem será empossado em 20 de janeiro. O Colégio Eleitoral pronunciou-se”, disse Mitch McConnell num discurso no Senado.

A recandidatura do presidente já tinha sido anunciada pelo próprio no início do mês durante um evento de Natal na Casa Branca. “Foram quatro anos fantásticos. Estamos a tentar cumprir mais quatro anos. Caso contrário, vemo-nos daqui a quatro anos”, afirmou Donald Trump, perante membros do Comité Nacional Republicano.

A notícia foi, para já, recebida de forma mista: uma sondagem recente feita para a “Fox News” concluiu que 57% dos eleitores norte-americanos não querem que Trump volte a ser candidato, e 42% garantem que será relembrado como “um dos piores presidentes” da história. Só 22% olham para Trump como “um dos maiores” presidentes da história dos EUA. Além disso, 55% disseram que o país está pior agora do que há quatro anos, e apenas 32% acham que Trump o melhorou.

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

Impacto das sanções dos Estados Unidos prejudica cooperação com Portugal, diz embaixador iraniano

Mortza Damanpak Jami afirmou que até 2017, as relações e trocas comerciais entre os dois países ascendiam a 65 milhões de euros, valor que, depois das sanções devido ao programa nuclear iraniano, tem vindo a descer, situando-se em 2021 em torno dos 12 ou 13 milhões de euros.
Comentários