“Devemos estar preparados para uma guerra mais prolongada”, diz João Gomes Cravinho

Os chefes da diplomacia dos 30 aliados da NATO estão reunidos em Bruxelas com o homólogo ucraniano, Dmitry Kuleba, e representantes dos parceiros Finlândia, Suécia, Geórgia, bem como Austrália, Japão, Coreia do Sul e Nova Zelândia.

epa09873787 Minister of Foreign Affairs of Portugal, Joao Gomes Cravinho, arrives at a special meeting of NATO’s Ministers of Foreign Affairs on the Ukraine Crisis in Brussels, Belgium, 06 April 2022. NATO Ministers of Foreign Affairs will attend a working dinner on the evening of 06 April, and a second day of meetings on 07 April. EPA/OLIVIER HOSLET

O ministro dos Negócios Estrangeiros português afirmou esta quinta-feira que o mundo tem de estar “preparado para uma guerra mais prolongada”.

As declarações foram proferidas à margem de mais uma reunião ministerial da NATO, em Bruxelas, na qual os chefes da diplomacia dos 30 aliados se reuniram não só com o seu homólogo ucraniano, Dmytro Kuleba, como com representantes dos parceiros Finlândia, Suécia, Geórgia, bem como Austrália, Japão, Coreia do Sul e Nova Zelândia.

“Estamos a passar por uma nova fase da guerra e infelizmente não há otimismo sobre o prazo para uma eventual cessação de hostilidade, o que significa que devemos estar preparados para uma guerra mais prolongada”, considerou João Gomes Cravinho.

De acordo com o governante, Kuleba transmitiu aos aliados o ponto de situação e a “realidade no terreno, que infelizmente não é muito positivo”.

Aludindo ao massacre de civis ocorrido recentemente na cidade ucraniana de Bucha, a 30 quilómetros de Kiev, Gomes Cravinho reconheceu que é necessário “estarmos preparados para mais notícias terríveis (…)”.

“Vamos ter mais revelações de atrocidades, de violações, de crimes de guerra. Naturalmente que isso cria ainda mais dificuldades no caminho para a paz”, continuou, defendendo que “todos esses indícios devem ser investigados”.

Segundo Gomes Cravinho, ficou claro no encontro que a guerra provocada pela Rússia afeta a segurança global, a ordem e as regras internacionais.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português sublinhou de novo, em declarações aos jornalistas, o forte sentimento de unidade entre todos os Estados-membros no apoio político, militar e económico à Ucrânia.

Reiterando o compromisso já anunciado ontem, Gomes Cravinho disse que Portugal irá corresponder ao pedido de Kuleba para o envio de mais armamento e munições: “Não temos armas pesadas que possamos fornecer, mas outros terão e coletivamente vamos apoiá-los”.

Questionado sobre as expetativas para o fim da guerra, o ministro afirmou que “a negociação nao é impossível e que a guerra acabará com a mesma”.

“Tem de haver sempre disponibilidade para uma solução diplomática. O que vemos da parte da Rússia é que essa disponibilidade não existe e, pelo contrário, uma grande indiferença em relação às leis da guerra. (…) Crimes de guerra parecem não ser um tabu para as forças russas e isto é profundamente preocupante”, disse.

Recomendadas

Ucrânia. Preço do gás com novo máximo devido a paragem anunciada no Nord Stream

O preço do gás europeu continuou hoje a aumentar atingindo um novo recorde no encerramento, depois de ter sido anunciado que o fornecimento de gás através do gasoduto Nord Stream será interrompido durante três dias.

França nega “obstáculo” às exportações russas e vê “instrumentalização”

A presidência francesa defendeu hoje que não existe “obstáculo” às exportações de produtos agrícolas russos, considerando as críticas nesse sentido do chefe de Estado da Rússia, Vladimir Putin, uma tentativa de “instrumentalização política”.

EUA propõem Zelensky na cimeira do G20 se Putin também participar

Os EUA propuseram que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, também participe na cimeira dos líderes do G20 se o seu homólogo russo, Vladimir Putin, aceitar o convite da Indonésia e comparecer na reunião, marcada para novembro em Bali.
Comentários