Da luz ao supermercado: dez dicas para melhorar a sua saúde financeira em 2020

Tudo dependerá do planeamento que fizer.

Ano Novo vida nova, diz-se amiúde. Se está a pensar em colocar nas suas resoluções para 2020 uma melhor saúde financeira, saiba que não precisa de gastar uma das doze passas com esse desejo. Poderá seguir as indicações que o JE lhe deixa para poder procurar uma vida financeiramente mais folgada no próximo ano. Não se trata de um prémio de euromilhões, mas com pequenos ajustes nos seus gastos mensais é possível ambicionar uma poupança extra.

Tudo dependerá do planeamento que fizer. Comece por se habituar a registar tudo o que gasta diariamente, desde a prestação da casa ao café até àquela raspadinha de dois euros que pensou que poderia mudar a sua vida. Se se habituar a registar tudo, poderá chegar ao final do mês e perceber todas as suas despesas mensais. A partir daí perceba onde pode cortar e não procure canalizar que o dinheiro que não gasta se destina à poupança. Assim, talvez consiga fazer aquela escapadinha a meio do ano para reestabelecer energia ou, talvez consiga amealhar o que lhe faltava para adquirir aquele smartphone, ou cumputador ou peça de roupa que tanto quer, mas que foge do seu orçamento habitual.

Eis dez dicas para melhorar a sua saúde financeira

Eletricidade: Pense em aderir à tarifa bi-horária. Transferindo alguns consumos como, por exemplo, de máquinas de lavar loiça e roupa, para o período noturno e fim de semana; Substitua as lâmpadas incandescentes por modelos economizadores da classe A (a poupança pode chegar até aos dez euros anuais); Não deixe os aparelhos em modo de espera (standby). Retire da tomada os carregadores de aparelhos quando a bateria estiver cheia; Prefira os equipamentos elétricos das classes A, A+ e A++; Se possível, seque a roupa no exterior e passe-a enquanto estiver um pouco húmida, pois assim também poupa energia ao engomar.

Água: Feche a torneira enquanto lava os dentes ou desfaz a barba. São menos cerca de 10 litros de água todas as manhãs; A opção por modelos de autoclismo, das classes A, de dupla descarga evita o desperdício de 20 a 25 litros de água diários, por pessoa; Prefira duches a banhos de imersão; Instale torneiras e chuveiros economizadores ou acessórios para reduzir o débito (na sua maioria classificados na categoria A): ao misturarem ar e água, mantém a sensação de pressão e de conforto. Permitem poupar 50% nos consumos de água e energia.

Gás: Ao cozinhar os alimentos opte por cortar os ingredientes em pequenos pedaços. Quanto mais pequenos forem, mais depressa será o processo de cozedura; Se puder, cozinhe com a panela de pressão: necessita menos gás para aquecer e cozinha os alimentos muito rapidamente; Tenha o cuidado de não encher as panelas com água em excesso: vai demorar muito mais tempo a ferver, gastando muito mais gás; Sempre que possível tape os tachos e as panelas durante a confeção dos alimentos. Desta forma, evitará o desperdício de energia. Exatamente pela mesma razão deverá escolher o bico do fogão adequado ao tamanho da panela.

Telecomunicações: Contacte todas as operadoras com serviços na sua zona de residência e analise os preços. Escolha em função dos canais pretendidos e da utilização que faz dos serviços; Se lhe propuserem promoções, estude todas as condições, para se certificar de que são vantajosas. Por vezes, o desconto na mensalidade é de apenas um ou dois meses e um valor que parece atrativo revela-se superior ao de outra operadora; Pergunte se há um contrato de fidelização e qual a duração; Se anunciarem tráfego ilimitado, questione se aplicam alguma política de utilização e como controlar o tráfego.

Combustível: Antes de sair de casa para abastecer, escolha o posto de combustível mais económico perto de si. Consulte o site da Direcção Geral da Energia e Geologia e poupe centenas de euros por ano; Respeite as indicações do fabricante para a manutenção: problemas nos injetores, velas, pastilhas dos travões, óleo ou filtros podem aumentar o consumo em 50%; Verifique a pressão dos pneus com regularidade. Pressão inferior a 0,5 bar à recomendada aumenta o consumo entre 2% e 3%; Carregue a bagageira do carro quando necessário. Se estiver cheia, o consumo aumenta até 40%; Limite o uso do ar condicionado e poupe até 30% no combustível.

Farmácia: Peça ao seu médico para prescrever medicamentos genéricos em vez de medicamentos de marca. Os genéricos (medicamento com a mesma substância ativa, na mesma dose e igual forma farmacêutica de um fármaco de marca) são mais baratos entre 20 e 35%; Compare preços: O Infarmed tem uma aplicação móvel gratuita que permite aos utentes poupar em medicamentos. Entre outras funcionalidades, a app “Poupe na Receita” dá acesso aos preços dos medicamentos para que possa escolher os mais baratos. Pode fazer a pesquisa antes de ir à farmácia ou no momento da compra, ao fazer leitura do código de barras.

Supermercado: Em casa faça uma lista do que necessita para comprar o indispensável e não se esqueça de levar os sacos (incluindo os isotérmicos); Seja crítico com as promoções e os descontos. Consulte os folhetos promocionais e verifique se o preço compensa, se precisa do produto e o valor registado na caixa corresponde ao anunciado; Evite levar crianças. Em certas lojas, os produtos para os mais pequenos estão ao nível dos olhos, podem, por isso, tentar influenciar a compra de artigos mais atrativos que nem sempre são a melhor opção; Não vá com fome. A tentação de levar alimentos que parecem apetitosos, mas que, de outro modo, não compraria é maior.

Educação: Reserve um dia de férias para uma reunião familiar e com os seus filhos tendo em vista planear o que precisa, fazer umas arrumações e ver o que poderá aproveitar para o próximo ano ou o que poderá ser reaproveitado e reciclado. Faça uma lista de compras e compare preços, antes de adquirir o que necessita; Durante o verão há várias editoras que oferecem promoções para reservas dos livros escolares e para quem fizer compras online. As poupanças podem chegar ao 20%; Não se esqueça que as despesas de educação podem ser abatidas no IRS, para o que deverá pedir fatura em nome dos seus filhos ou dos pais.

Crédito à habitação: Os custos associados a um crédito dependem de dois fatores para além da taxa euribor. Esses custos são relativos ao spread e a todos os produtos e serviços contratados (ex. seguro de vida, saúde, cartões de crédito etc.). Se tem um ‘spread’ acima de 2% tente renegociar.  Há uma grande probabilidade de conseguir opções mais baratas. Se para baixar o ‘spread’ o banco lhe propuser a subcrição de um produto faça bem as contas. Compare as propostas de outros bancos.

Comissões bancárias: Para evitar as comissões bancárias associadas às contas à ordem existem as chamadas contas de serviços mínimos bancários, que são um tipo de conta à ordem que permite que o respetivo titular aceda a um conjunto de serviços bancários básicos a um custo mais reduzido do que o normal (não pode ultrapassar anualmente 1% do salário mínimo nacional); Existe ainda a possibilidade da instituição financeira isentar o cliente das comissões de gestão da conta à ordem no caso de domiciliar o ordenado ou se a sua conta estiver associada à de um familiar que já é cliente do banco; Evite fazer transferências no balcão do banco. Normalmente têm custos associados. Sempre que lhe for possível, escolha fazer estas operações através de uma caixa Multibanco, uma vez que este método continua a ser gratuito.

Recomendadas

Mudança ‘online’ para todas as empresas no mercado regulado de gás já é possível

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) anunciou hoje uma atualização ao guia para mudar para o mercado regulado de gás natural, com os ‘links’ para a contratação eletrónica de todos os comercializadores naquele mercado.

OE2023: Marcelo diz que previsões são melhores do que esperava mas não são “maquilhagem política”

O Presidente da República afirmou hoje que as previsões económicas do Governo para 2023 são melhores do que esperava, mas considerou que não são “um exercício de maquilhagem política”, embora admitindo que posam falhar.

Governo prevê PIB a crescer 1,3% e défice de 0,9% no próximo ano

O cenário macroeconómico da proposta de Orçamento do Estado para 2023, que está hoje a ser apresentado aos partidos, contempla prevê um abrandamento do crescimento económico de 6,5%, este ano, para 1,3% no próximo. Inflação mantém-se no patamar do OE2022 de 4% e dívida cai para 110,8%.
Comentários